Martim iniciou a Reforma Protestante em 1517. FOTO: Reprodução de pintura de Lucas Cranach

Movimento iniciou com manifesto contra mercantilização da fé e se expandiu

Descontente com a forma que atuavam certos integrantes da Igreja Católica e não tendo resposta às suas denúncias, o sacerdote alemão Martim Lutero – também conhecido como Martinho Lutero – afixou em 31 de outubro de 1517, na porta da igreja do castelo de Wittenberg, suas 95 teses. O ato ocorrido há 503 anos deu início ao que hoje é conhecido como Reforma Protestante.

O pastor Charles Werlich, da comunidade luterana de Brochier, observa que Lutero buscava paz em sua mente e em seu coração. O religioso comenta que lendo a passagem bíblica de Romanos 1:17, onde se lê “O justo viverá por fé”, Lutero despertou e percebeu que Deus é amor e não vingativo ou carrasco. “O que Deus pede de nós é um coração que confia e se entrega a Ele”, aponta.

Segundo Charles, essa percepção trouxe alívio a Lutero e fez com que ele questionasse o sistema de indulgências da época, onde se vendia perdão e salvação. “Ou seja, ele foi contra a venda e a mercantilização da fé”, pontua. “Esse foi seu ‘protesto’ de onde provém a nomenclatura ‘protestantes’”, observa o sacerdote.

Para o pastor, saber-se aceito e amado como filho justo e pecador anima, renova e impulsiona a viver a vida em liberdade e compromisso dia após dia. “Sentir-se aceito e amado por Deus, que é cheio de amor e compaixão, nos faz prosseguir nas alegrias e nas tristezas, na saúde e na doença, nos momentos de flores e de espinhos”, reforça Charles.

O religioso lembra que a ação de Lutero deixou um legado não apenas para os luteranos, mas para toda a cristandade e para o mundo inteiro. “Ela nos mostra de onde viemos e para onde caminhamos. Nos dá identidade. Mostra quem nós somos, nossa missão neste mundo e princípios centrais da vida a serem vividos e testemunhados a todas as pessoas”, reflete.

Pastor Charles. FOTO: Arquivo Pessoal

Movimento atingiu outros setores da sociedade
O pastor Charles salienta que, ao contrário do que muitas pessoas pensam, o movimento iniciado por Lutero não foi exclusivamente religioso. “Muitos dos aspectos da sociedade do atual século tiveram influência do movimento da Reforma”, destaca. O religioso aponta que ocorreram transformações na educação, na política, na filosofia, na teologia, no comportamento ético, na música, na ciência, no trabalho e na solidariedade social.

“Gostaria de frisar o importante papel da Reforma na educação. Lutero foi um dos principais defensores da educação como direito de todos e dever do Estado”, comenta Charles. O pastor lembra que um dos ensinamentos de Lutero é de que é através da educação que ocorrem as mudanças na sociedade. “Ele dizia que aos domingos as pessoas deveriam estar sentadas nos bancos das igrejas ouvindo, lendo e estudando a bíblia para formação ética e cristã e durante a semana deveriam estar nas escolas folheando livros no desenvolvimento do conhecimento”, conta.

O religioso destaca que a atuação de Martim Lutero em prol da educação foi tão marcante que ainda hoje resgata-se um dos lemas da reforma por ele iniciada: “Ao lado de cada igreja, uma escola”. “Sua dedicação e incentivo pelo ensino foi tanta que ele é considerado o pai da educação pública. Eis um legado que moldou, molda e continuará moldando nossa atual sociedade”, reforça Charles.

Por conta da pandemia, mudança nas celebrações
A pandemia do novo coronavírus fez com que diversos hábitos sociais mudassem para impedir ao máximo a propagação do vírus. Isso inclui a forma com que serviços religiosos funcionam.

Conforme o pastor Charles, em Brochier as atividades que marcam a Reforma Protestante acontecerão de forma online. A transmissão de cultos será feita usando a tecnologia e por plataformas como o Facebook e o YouTube.

A paróquia evangélica do Centro de Maratá, que também é atendida pelo pastor Charles, seguirá a mesma programação com atividades online. Já as comunidades luteranas do interior de Maratá e de São José do Sul, que fazem parte da paróquia de Salvador do Sul, não terão culto específico para rememorar o Dia da Reforma.No entanto, o pastor Neuri Ellwanger adianta que haverá celebrações no Dia de Finados, em 2 de novembro, próxima terça-feira.

Em Montenegro, a paróquia da Igreja Evangélica de Confissão Luterana do Brasil (IECLB) do Centro da cidade, realizará às 19h do dia 31 um culto com restrição de presença e observando medidas sanitárias como o uso da máscara e o distanciamento.
Já no interior do Município, a tradicional “Parada das Flores” será substituída por um culto que ocorrerá no pavilhão da comunidade evangélica de Costa da Serra, às 20h30min. A orientação dos organizadores é de que os fiéis estejam de máscara. Haverá um tapete higienizador e álcool em gel no local. Recomenda-se, ainda, que pessoas com gripe, febre ou resfriadas fiquem em casa.

A igreja luterana de Matiel, no interior de Pareci Novo, por sua vez, faz parte da paróquia de São Sebastião do Caí. Essa comunidade poderá, então, acompanhar a celebração pelo Dia da Reforma na igreja sede, em São Sebastião do Caí, às 19h do dia 31.

Algumas das teses de Martim Lutero
“27. Pregam futilidades humanas quantos afirmam que, tão logo a moeda tinir na caixa, a alma se eleva do purgatório”.
“32. Serão eternamente condenados juntamente com seus mestres, aqueles que julgam obter certeza da salvação mediante cartas de indulgência”.
“36. Todo e qualquer cristão verdadeiramente compungido têm pleno perdão da pena e da culpa, o qual lhe pertence mesmo sem carta de indulgência”.

“62. O verdadeiro tesouro da Igreja é o santíssimo Evangelho da glória e da graça de Deus”.

Deixe seu comentário