Maria Terezinha Camello, presidente da AAF, convida a comunidade para que se tornem voluntários da Associação

A Associação Amigos da Fundarte (AAF) foi criada dia 27 de março de 1995, mas, antes disso, se designava Associação de Pais e Mestres. O nome foi mudado para AAF para ampliar o alcance de pessoas para mais que apenas pais e mestres, ou seja, Amigos da Fundarte. A Associação não tem fins lucrativos, tendo por finalidade a execução de projetos educacionais e culturais para toda a comunidade, abrangendo todos os campos da arte. “A AAF tem voluntários que acreditam na Fundarte e trabalham para que a comunidade receba eventos culturais como vêm recebendo” salienta a Presidente da AAF, Maria Terezinha Camello, a Nica.

Atualmente, a AAF tem diretoria com 12 componentes e conta com 100 associados, estes, que pagam a partir de R$ 10,00 por mês para ajudar a Associação. Esse valor, assim como tudo arrecadado com eventos promovidos pela Fundarte em parceria com a AAF, se destina exclusivamente para custear outros eventos. “O dinheiro paga transporte para os grupos irem se apresentar assim como para professoras, paga manutenção de instrumentos, uniformes e merendas quando possível”, conta Maria Terezinha. Uma vez por ano ocorre, na Fundarte, a Noite dos Associados. “Os componentes da AAF prestam contas aos associados, mostrando, com transparência, no que a verba foi investida”, explica a presidente, que salienta, juntamente da secretária da Associação Gorete Junges, que “as portas da AAF e da Fundarte estão sempre abertas a novos voluntários e associados.” Eventos como os tradicionais Brechós, recitais e sarais de música/dança são algumas das atividades.

Existe ainda, o Círculo da Cultura, onde associados da AAF ganham descontos em lojas de Montenegro. Qualquer pessoa da comunidade pode ser um associado, assim como um voluntário, bastando, para isso, ir até a Fundarte e preencher uma ficha. Maria Terezinha agradece ainda, todo mundo que ajuda a AAF de alguma maneira, lembrando que deseja cada vez mais crescimento nos projetos. “Montenegro merece cada vez mais atividades”, finaliza. (IF)

Deixe seu comentário