O pequeno Renato Müller (colo) teve uma carreata especial pelo primeiro aninho

Devido à pandemia do novo coronavírus, a realização dos eventos tinha sido cancelada

A Covid-19 alterou não só a saúde e economia do país, mas também a realização de eventos. Como a melhor forma de combater a disseminação do vírus é mantendo o isolamento social, muitos aniversários e chá de bebês tiveram de ser cancelados, frustrando muitos pais que sonhavam com o tão esperado dia.

Porém se enganou quem pensa que a data pode passar em branco. Em Montenegro, na noite da última quinta-feira, 7, estranhou quem viu a cena de mais de 20 carros com balões, buzinas e bandeiras do grêmio indo em direção a casa da família Müller. Imagina a surpresa que os papais Sabrina de Oliveira Müller e Dean Müller não tiveram.

Gremistas de coração, o pequeno Renato que completou 1 aninho no dia 7 que por acaso também é o número da camiseta do ídolo Renato Portaluppi, recebeu o nome em sua homenagem, e nada mais justo que a sua primeira comemoração ter sido lembrada de tal maneira. Mesmo com isolamento social, família e amigos a distância cantaram o parabéns para o menino, que por enquanto não entende nada, mas que no futuro com certeza ficará feliz com a lembrança. “Eu tinha visto na internet algumas pessoas fazendo, e como a gente sabia que ela gosta muito de fazer festa pros filhos e ela estava muito empolgada para o primeiro aninho do Renato, então foi uma decepção pra ela. A expectativa estava muito grande”, conta a amiga Ritiele Branco.

Também presente na ação estava a vovó Eva Solange, que ficou grata pela iniciativa dos amigos de Sabrina. Segundo ela, o propósito foi de união e amizade. “A gente não está pertinho fisicamente, mas está junto. A gente não esqueceu o aniversário”, fala. Para ela mesmo com distanciamento social, o afeto precisa estar presente. E os amigos acertaram com a carreata, pois com lágrimas nos olhos, a mãe estava só sorrisos diante da surpresa. Segundo Sabrina, ela jamais esperava por isso, e garante que todos são muito especiais. “Foi a maior demonstração de carinho que poderíamos ter recebido. Ficamos muito emocionados”, comenta.

Com tudo programado para a festa, a família teve coragem de desmarcar tudo apenas no mês passado, mas de acordo com eles agora a data será lembrada para sempre. “Sou dessas mães que ama festa dos filhos; não fazer para o Renato tinha me deixado bem sentida, mas com todo esse carinho, esse sentimento de tristeza foi embora”, declara Sabrina.

Futuros papais também tiveram surpresas
No sábado, 9, o dia também foi cheio de surpresas e emoções. Na cidade, dezenas de carros saíram da Via II em direção à casa da futura mamãe, Marília Rodrigues. Com muitas buzinas e aplausos, amigos e familiares demonstraram seu carinho por Marília e pela pequena Anita que ainda não nasceu.

Marília estava radiante com a surpresa pela pequena Anita, que ainda não nasceu. Foto: arquivo pessoal
Marília Rodrigues se emocionou com a surpresa. Foto: arquivo pessoal

Não deu outra: a surpresa deixou a mamãe muito feliz e grata. Esperando o nascimento da filha para no máximo 10 de junho, toda a programação que havia realizado teve de ser cancelada devido ao coronavírus, mas Marília não contava com a iniciativa de quem a ama. “Ela estava triste por não poder fazer o chá; ela tinha dez meses quando eu adotei ela. É uma menina muito querida, já passou por dificuldades durante a vida, e eu queria fazer uma coisa meio diferente para alegrar ela”, comenta a mãe Susana Souza. E com um sorriso enorme no rosto, Marília agradeceu a todos os presentes.

Esse tipo de iniciativa chamou tanto à atenção que na cidade vizinha, Maratá, amigos resolveram organizar uma “charreata” para dois casais, e o sucesso foi total. Os futuros papais Helen Camillo e Rafael Pletsch e Fernando Reidel e Luana Götz também tiveram seus chás de bebês cancelados, porém o final foi diferente do que eles esperavam.

Isso, porque uma rede de amigos e familiares também estavam dispostos a dar uma alegria para eles. “Resolveu-se organizar a charreata porque sabemos o quanto um momento como o da gestação e espera pelo bebê é divino. E em ocasião da pandemia não seria possível organizar o tradicional Chá, o que impossibilita o contato direto, a troca de carinho e o tão agradável convívio próximo entre amigos”, comenta Vivian Kipper.

Em Maratá a comemoração foi em dose dupla, para homenagear Breno e Antonella. Foto: arquivo pessoal

Segundo ela, esse é um modo de alegrar os amigos e também desejar as boas vindas aos bebês que já são aguardados com muito amor e alegria. O pequeno Breno, filho de Helen, e a pequena Antonella, ainda nem nasceram, mas já contam com muitos titios que os amam.

Dezenas de carros tomaram conta da cidade e visitaram as duas famílias, distribuindo muita alegria e esperança. Débora Escher, amiga dos casais, também relata que eles são muito queridos por todos, e merecem a surpresa. “Já estamos há duas semanas organizando a charreata e estava todo mundo com frio na barriga”, comenta. E apesar de não ser a maneira esperada de comemorar uma data especial, as carreatas puderam aquecer um pouquinho o coração dos entes queridos.

Deixe seu comentário