Marcelo Neri é economista e diretor da FGV Social. FOTO: Divulgação/FGV

Nas cidades do Vale do Caí mais Triunfo, renda média da população é menor que a do Rio Grande do Sul

Um estudo publicado este mês pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) ajuda a entender a distribuição da riqueza pelo país. Intitulado “Onde estão os ricos no Brasil?”, o mapa tem o intuito de identificar a localização geográfica dos grupos mais abastados em território nacional. “A gente está olhando o lado de quem tem renda acima de um determinado critério, que é a declaração do Imposto de Renda, e como é a distribuição deles na população”, resume o diretor da FGV Social e coordenador do estudo, o economista Marcelo Neri.

O profissional explica que os dados levantados podem ser utilizados para pensar ações tributárias. Ele cita como exemplo a discussão sobre a redução da dedução no Imposto de Renda por dependente e despesa por educação. “Esse mapa permite ver isso, permite inferir qual seria o impacto em tal Estado ou Município”, aponta Neri.

Utilizando-se dos dados da Receita Federal sobre as declarações do Imposto de Renda de Pessoa Física (IRPF) de 2018, os pesquisadores realizaram o cálculo de renda média dos Municípios de duas formas: levando em conta a população total e apenas os declarantes. O cálculo implicitamente desconsidera as rendas informais e demais não declaradas no Imposto de Renda.

O estudo indica que, no Rio Grande do Sul, onde 18,83% da população declarou o IRPF em 2018, a renda média no universo dos declarantes é de R$ 8.339,33. Se o cálculo for feito levando em conta toda a população, a renda média dos gaúchos fica em R$ 1.569,92. Isso coloca o RS na quarta posição do ranking da renda média mensal declarada no IRPF pela população total.

No Vale do Caí, o Município com maior renda média da população total é Montenegro, onde o valor é de R$ 1.473,98. Já Capela de Santana tem a mais baixa: R$ 365,68. Vale destacar que esse também é o Município com menor porcentagem de declarantes do IRPF na região, com 7,88% dos habitantes fazendo a declaração em 2018.

Quando o cálculo leva em conta apenas a renda dos declarantes, o Município do Vale do Caí com a maior renda média é Pareci Novo. Lá, esse valor alcança R$ 7.768,54. Por outro lado, Barão apresenta a menor renda média dos declarantes do IRPF 2018: R$ 4.415,92. Os dados de toda a região você confere na tabela.

Segundo Neri, esses dados expõem a concentração do dinheiro na região. “Um Município que tem uma alta renda média é um Município, em relação a outro, onde há maior concentração de riqueza”, explica. “Se você tem um Município que tem uma alta renda média ou uma alta proporção de pessoas declarantes e outro com uma baixa (renda e proporção) quer dizer que um tem muitos ‘ricos’ e outro tem menos”, complementa o economista.

Dados embasam financiamento de políticas públicas
Captar o outro lado da desigualdade e identificar aqueles que financiam políticas públicas através do Imposto de Renda é um dos objetivos por trás do estudo realizado pela FGV Social. Segundo Neri, essa é a primeira vez que se divulga uma análise com esses dados. Além disso, o economista destaca que o estudo apresenta um dado mais atual se comparado aos existentes. As últimas informações de renda de pessoas no Brasil datam do Censo de 2010.

O diretor da FGV Social salienta, ainda, que os dados oriundos da Receita Federal oferecem informações que, às vezes, são suprimidas no censo. Conforme Neri, estudo realizado há alguns anos apontou que quem tem mais de três carros em casa – o que é um sinal de riqueza – tem grande chance de não declarar renda ao responder ao censo. “E o Imposto de Renda é um registro formal que a pessoa é obrigada a declarar”, pontua.

Neri aponta que é usual ver estudos sobre a pobreza, onde também se comprara toda a população para se identificar a porcentagem de pessoas que estão abaixo de determinada linha. Já o “Onde estão os ricos no Brasil?” fez o caminho contrário. “A gente enxerga quem declara Imposto de Renda como se fosse uma espécie de linha de riqueza”, afirma.

1 comentário

Deixe seu comentário