Alemães receberam explicações sobre o sistema que envolve criação de peixe e produção de alimentos com a técnica da aquaponia, ou seja, sem solo. Foto: Divulgação

Uma comitiva alemã conheceu, na última semana, o sistema de produção de peixes confinados da AQP Brasil, em Triunfo. Olaf Griebenow, gerente de projetos da Rosoma GmbH, e Silvia Kohlmann, fundadora da empresa Envitecpro GmbH, observaram como a aquaponia integra a produção de peixes confinados em um sistema de filtragem com recirculação de água, agregado a um cultivo hidropônico, ou seja, sem a presença de solo.

Diretor da AQB Brasil, Fagner Tafarel Campos de Sá explicou aos visitantes sobre a aquaponia, sistema de produção de alimentos que combina a aquacultura (produção de organismos aquáticos) com a hidroponia, em um ambiente com recirculação de água. Tafarel afirma que a tecnologia é difundida em países da comunidade europeia, Austrália, México e Ásia Oriental, para a produção de alimentos em pequenas ou grandes escalas com benefícios ambientais e sociais.

Conforme Tafarel, o sistema propõe recirculação que simula acontecimentos naturais e seus módulos dependem do equilíbrio entre os três elementos que compõem o sistema: plantas, peixes e microorganismos. “A água do sistema de aquacultura contem resíduos tóxicos excretados pelos peixes que serão convertidos pelos microrganismos em adubo para as plantas. Após a remoção dos fertilizantes pelas plantas, principalmente a carga de nitrogênio, a água retornará ao tanque de peixes livre dos elementos tóxicos”, destaca um dos diretores da AQB Brasil.

O encontro foi organizado pela gestora de projetos e captação de recursos do Projeto Rosoma no Brasil, Dra. Maria Elisabete Haase-Möllmann. Olaf Griebenow e Silvia Kohlmann estão no Brasil participando do Simpósio Sul-brasileiro Estratégias de Sustentabilidade no Processamento de Pescado, que acontece desde ontem e segue durante esta quarta-feira, 22, na universidade Feevale.

Deixe seu comentário