Vale do Caí, também conhecido como Vale da Felicidade, teve variação negativa de 0,9% no índice, mas manteve sua posição no ranking estadual. Foto: Arquivo/Jornal Ibiá

Idese. Apesar de apresentar retração maior que a do Estado, a região se manteve em 10º lugar no ranking gaúcho

A Fundação de Economia e Estatística (FEE) divulgou nesta semana o Índice de Desenvolvimento Socioeconômico (Idese) do Rio Grande do Sul referente a 2015 e, pela primeira vez na série histórica do Estado, houve queda. A redução de 0,8% se apresenta quando comparado ao dado de 2014. Também foram divulgados os indicadores dos Conselhos Regionais de Desenvolvimento (Coredes) e Municípios. O Corede Vale do Caí apresentou uma variação negativa de 0,9%, se comparado com 2014. Porém, manteve a 10ª posição de um total de 28 entre os Coredes com índice de 0,763. O Rio Grande do Sul apresentou a marca de 0,751.

Apesar do pequeno aumento dos índices dos blocos Saúde (0,5%) e Educação (0,2%) em 2015, a queda do Idese do Estado foi influenciada pela diminuição do bloco Renda (-3,1%). Conforme a classificação vigente, o Rio Grande do Sul apresenta nível médio de desenvolvimento, considerando a demarcação dos níveis em alto (maior ou igual a 0,800), médio (entre 0,500 e 0,799) e baixo (abaixo de 0,499).

De acordo com o estatístico Rafael Bernardini, coordenador do Núcleo de Indicadores Sociais da FEE, o Idese avalia a situação socioeconômica do Estado e municípios gaúchos quanto à educação, à renda e à saúde, considerando aspectos quantitativos e qualitativos do processo de desenvolvimento, e fornecendo informações para o desenho de políticas públicas específicas, de acordo com as necessidades estaduais, municipais ou da região avaliada.

Presidente do Corede, Alzir Bach acredita que região terá melhor desempenho nos próximos anos. Foto: Arquivo/Jornal Ibiá

O presidente do Corede Vale do Caí, Alzir Aluisio Bach, acredita que a região deve apresentar melhora no índice nos próximos anos. “Queremos avançar mais e já pedimos a mobilização dos prefeitos. Vamos visitar um a um”, garante. Segundo Alzir, dados preliminares referentes à participação na Consulta Popular apontam que o desempenho econômico da região em 2017 foi levemente negativo, mas superior ao de 2016.

Para o presidente do Corede Vale do Caí, o Poder Público deve agir no sentido de injetar recursos na economia e buscar apoio da iniciativa privada para focar 100% na geração de emprego e renda. Conforme Alzir, cada R$ 1 milhão injetado na economia gera 46 novos empregos.

Dentre os municípios, Tupandi é destaque

O principal destaque do Idese no Vale do Caí é Tupandi. Além de ter a maior marca da região (0,819), também apresenta o terceiro maior índice de Renda do Estado – e maior do Vale do Caí –, atingindo 0,907. Na Educação, o melhor índice é o de Harmonia, que tem o indicador de 0,815. Já o destaque da Saúde é Salvador do Sul, com o índice chegando a 889.

Prefeito de Tupandi, Hélio Müller, destaca ações pelo desenvolvimento. FOTO: Prefeitura de Tupandi

Para o prefeito de Tupandi, Hélio Inácio Müller, os bons números no bloco Renda da cidade se dão em razão dos incentivos que o Executivo dá para indústrias, comércios e, principalmente, agricultores. Hoje, 56% da arrecadação do Município vem da produção primária. “Temos uma população que trabalha, que se preocupa em produzir e ser útil para a comunidade. Uma população que pensa em empreender”, frisa.

Como reflexo disso, Müller aponta que Tupandi, que tem aproximadamente 4.500 habitantes, possui saúde e educação de qualidade para oferecer aos seus munícipes. Como exemplo, ele cita o fato de que não há filas para a Educação Infantil na cidade e que a creche está sendo ampliada visando o nascimento de novos bebês, uma vez que existem 40 gestantes no município. “A arrecadação proporcional é alta e resultado de um investimento que existe desde o primeiro dia dos 30 anos em que Tupandi é emancipado”, reforça o chefe do Executivo.

Deixe seu comentário