Expectativa da Emater é que colheita de citros em Montenegro alcance 45 mil toneladas este ano. FOTO: arquivo pessoal Gilvane Nied

Expectativa da Emater é de aumento na safra deste ano

A estiagem que atingiu o Estado no final do ano passado e nos primeiros meses de 2022 trouxe impactos para diversas culturas da região do Vale do Caí, incluindo o citros. Luisa Leopold Campos, extensionista da Emater de Montenegro, afirma que a principal consequência da seca na citricultura foi o atraso na colheita. “A estiagem atrasou alguns dias a colheita, mas ela já iniciou. A boa notícia é que a fruta está com qualidade”, aponta.

No ano passado, em Montenegro, foram colhidas aproximadamente 43.200 toneladas de citros. Para este ano, segundo a Emater, mesmo com a estiagem, a expectativa é de um pequeno incremento na colheita, que deve alcançar 45.900 toneladas. A área plantada é de cerca de 3 mil hectares, mas também deve crescer, em virtude da implantação de novos pomares.

Para o vice-presidente da Associação dos Citricultores do Vale do Rio Caí (Acvarc), Gilvane Nied, alguns cultivos foram mais afetados do que outros com a estiagem, como foi o caso da laranja. “No ano passado tivemos uma super safra, então já esperávamos uma colheita menor para este ano de algumas variedades. Mas a seca causou o abortamento dos frutos e isso prejudicou ainda mais. Pra laranja vai ser um ano bem crítico, porque foi um dos cultivos que mais sentiu a seca”, aponta.

Nied reforça que o principal impacto da estiagem foi o atraso na colheita, além do prejuízo no raleio da bergamota. “Um dos principais impactos com certeza foi o atraso da colheita. A bergamota Caí, que é normal começar a colher no fim de abril, atrasou umas duas semanas. No raleio, que começa em janeiro, a fruta estava muito miúda, então perdemos rendimento nessa época”, relata.

Mas a qualidade dos citros é algo comemorado pelos produtores, que relatam que esse ano as frutas serão maiores e com mais qualidade. De acordo com o vice-presidente da Acvarc, isso também é resultado da implementação de um controle fito sanitário cada vez mais eficiente por parte dos produtores. “A qualidade das frutas sempre é uma preocupação dos produtores. Por isso, estamos sempre trabalhando e prontos pra produzir uma fruta com qualidade”, afirma Nied. Por outro lado, o aumento dos insumos preocupa os produtores, que relatam não estar conseguindo repassar tudo na hora da venda das frutas.

“Estamos produzindo com um custo maior. É complicado, porque a gente não consegue repassar tudo pra frente e acaba impactando na margem do produtor”, diz o vice-presidente da Acvarc.

Abertura Estadual da Safra de Citros será dia 1º de julho
A 22ª Abertura Estadual da Safra de Citros está marcada para o dia 1º de julho, na Fazenda da Biocitrus, em Passo da Pimenta. Será numa sexta-feira à tarde e o clima é de “retomada”, já que a última edição presencial ocorreu em 2019. Há dois anos, a atividade acabou cancelada em virtude da pandemia e, em 2021, pelo mesmo motivo, a celebração foi virtual.

A data foi anunciada nessa quarta-feira, 18, pelo secretário municipal de Desenvolvimento Rural, Ernesto Kasper, e foi definida em conjunto com a Comissão Municipal de Citricultura. O grupo reúne representantes de entidades vinculadas ao segmento, incluindo agricultores, técnicos e comerciantes.
“No momento, estamos elaborando a programação, que deve ser divulgada em breve. A ideia é fazer um evento que mostre a força do setor e o otimismo dos citricultores, que enfrentaram muitos problemas em virtude da pandemia, mas seguem apostando no cultivo”, afirma o secretário.

Deixe seu comentário