Turmas foram realocadas a novos espaços. Na Beato Roque, auditório é usado para cumprir o distanciamento

Hoje, há apenas duas turmas que estão tendo aulas no modelo híbrido

Uma série de ações está permitindo que a rede municipal de ensino de Pareci Novo retome de forma 100% presencial suas aulas. Tal retomada já é realidade em quatro das cinco escolas municipais. A exceção é a Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Beato Roque, onde é necessária a contratação de professores para ser possível a divisão das turmas de 2º e 3º Ano e, assim, permitir que os alunos não mais estudem em rodízio no modelo híbrido alternando uma semana tendo aula na escola e outra com atividades remotas.

De acordo com a secretária municipal de Educação de Pareci Novo, Paula Marnelise Streit, o avanço na retomada das aulas 100% presenciais se deu no início do segundo semestre letivo através do decreto estadual que reduziu para um metro a exigência de distanciamento mínimo entre as classes dentro das salas de aula. Antes, algumas medidas já vinham sendo tomadas, como a contratação de professores e organização de espaços nas escolas para receber turmas maiores.

Secretária diz que aulas 100% presenciais era desejo de pais e professores

“A gente está ocupando auditório de escola, a gente está ocupando todos os espaços possíveis para que todos consigam vir às escolas”, afirma Paula. Um exemplo dado pela secretária é o da EMEF Catharina Fridolina Weissheimer, onde a sala da biblioteca foi alterada para receber uma turma.

Paula destaca que o retorno 100% presencial era tanto um desejo dos pais quanto dos próprios professores. A secretária analisa que o modelo de ensino híbrido mostrou um avanço se comparado ao ano passado, mas mesmo assim deixava a desejar quando colocado ao lado das aulas presenciais. “Ele (sistema híbrido) deixava muito a desejar porque você ficava uma semana em casa, tinha atividades, recebia orientação e aula remota, mas não é a mesma coisa que o presencial, aquela coisa de todos os dias, principalmente na alfabetização”, aponta. Paula reforça que na semana em que ficavam em casa muitas crianças não conseguiam dar conta das atividades propostas e, ainda, esqueciam do conteúdo já trabalhado.

“(O modelo híbrido) Dá certo, foi uma maneira que se achou e que resolveu em parte o problema, mas não tem como comparar com o presencial 100%”, enfatiza a secretária. Além disso, Paula lembra que a retomada 100% se dá para aqueles alunos cujos pais autorizaram o retorno às aulas. “Essa decisão é da família, mas temos poucos alunos em (ensino) remoto”, afirma.

Sobre casos de Covid-19 em ambiente escolar, a secretária diz que houve apenas registros no início do ano letivo. “A gente fechou as salas, sanitizamos, demos o espaço de tempo necessário e retornarmos com a turma (de forma presencial)”, explica sobre o protocolo nesses casos.

Deixe seu comentário