Silagem é utilizada para alimentar os animais durante o inverno. foto: Divulgação/P.M. de Maratá

Subsidiando em 60% o serviço de silagem, a Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente está trabalhando forte nessa área. Apesar de o ápice da colheita e da realização da silagem ser entre fevereiro e maio, período no qual as equipes da Prefeitura chegam a trabalhar em até oito propriedades por semana, o diretor da Agricultura e Meio Ambiente, Anderson Goelzer Barreto, destaca que 48 agricultores já foram beneficiados pelo serviço até o momento.

O diretor explica que, para alcançar todas as propriedades, o trabalho é feito através de agendamento, que pode ser realizado na sede da Secretaria, localizada no Parque da Oktoberfest. De acordo com Anderson, para fazer o cadastro, o agricultor precisa apresentar comprovante de residência, RG e CPF. Ele destaca ainda que o subsídio na silagem garante um futuro sem preocupação com alimento para o gado, principalmente no inverno. “É apenas cobrada uma taxa a cada hora trabalhada do maquinário”, reforça.

Atair Vier, da localidade de Esperança, é um dos agricultores que utiliza o serviço oferecido pela Prefeitura. “Tenho na minha propriedade gado de corte e pretendo comprar mais animais nos próximos meses. Por este motivo, fiz a solicitação do serviço de silagem”, revela.
A silagem é o produto obtido por meio da ensilagem, técnica que consiste na conservação de forragem para a alimentação animal em época de escassez de pasto. O principal produto utilizado em Maratá é o milho. A planta adulta, já com espigas, é colhida inteira, picada e armazenada em trincheiras revestidas com plástico. Por meio de fermentação controlada e vedação, a matéria orgânica se mantém conservada e é servida para o rebanho como parte da alimentação.

Compartilhar

Deixe seu comentário