Maratá quer apostar em suas belezas naturais com o apoio da iniciativa privada.

Administração aposta no potencial da cidade e quer desenvolvê-lo mais

Considerando que o município tem grande potencial turístico, o Executivo pretende explorar essa qualidade junto com a iniciativa privada. Para isso, a Administração do prefeito Fernando Schrammel instituiu uma Comissão Municipal de Turismo, que conta com a participação de munícipes, representantes da Prefeitura e de Moacir Cardoso, ex-secretário de Turismo dos municípios de Canela e São Francisco de Paula.

Membros do Executivo trabalham para atrair mais visitantes à cidade

“Potencial a cidade tem. Estamos a 85 quilômetros de Porto Alegre, talvez um pouco fora de rota, mas se estruturarmos e vendermos bem a ideia, há futuro”, pondera o secretário de Cultura, Turismo e Desporto, Alexandro Haupenthal. Com essa ideia em mente, o Município irá buscar parcerias com instituições privadas para transformar esse plano numa realidade. “O que vemos é um cenário que não é muito positivo. O Município não tem recursos suficiente para investir sozinho nas cascatas. Por isso, seguimos a lógica globalizada da parceria com a iniciativa privada”, destaca o prefeito Fernando Schrammel.

Assim, o Executivo trabalha com a ideia de fazer a concessão das duas cascatas por 10 ou 15 anos. “Ainda estamos definindo o modelo, mas as empresas teriam que investir no parque”, adianta o chefe do Executivo. “Nós queremos ajudar a alavancar o turismo através da parceria com a iniciativa privada”, reforça o secretário de Turismo.

Segundo eles, o Plano de Turismo do município, que será trabalhado a longo prazo, também conta com a implantação de uma rota de turismo rural e a concretização do desejo de construir o primeiro hotel da cidade. “No momento, o turismo rural está em alta e é o mais palpável para nós”, destaca Alexandro. Ele alerta, porém, que para dar certo, o roteiro precisa ser bem planejado.

“Também queremos revitalizar o Parque Municipal já para a Oktoberfest deste ano e, na Semana do Município, inauguramos a Casa do Artesanato”, revela Alexandro. Outra ideia é investir na gastronomia alemã e na conclusão da rodovia Transcitrus, que ajudaria a impulsionar o turismo em toda a região. A construção de um museu também está nos planos da Administração Municipal de Maratá.

Mais segurança nas cascatas já é ponto positivo
A última morte registrada numa cascata em Maratá foi em 2 de fevereiro de 2014, quando Leonardo André Gerhardt, o “Tinho”, perdeu sua vida nas águas do Parque da Cascata Maratá. Segundo Fernando, o fato foi um choque para o município. E, a partir dessa tragédia, o Executivo passou a se preocupar com a sua responsabilidade nestes casos e instituiu a Lei Municipal 1.534/2014, que estabeleceu a cobrança de uma taxa de manutenção dos que entram nos parques municipais com cascatas. Com esse dinheiro, foi possível que os ecônomos passassem a contratar salva-vidas.

“Estamos há três anos sem mortes. Hoje os parques estão mais seguros, o que é um ponto importante das mudanças que foram instituídas”, destaca o prefeito. O chefe do Executivo lembra que os acidentes com vítimas fatais nas cascatas davam uma imagem ruim ao município. “Hoje as pessoas podem vir com mais tranquilidade”, reforça Fernando. Atualmente, o Parque da Cascata da Vitória contra com dois salva-vidas e o da Cascata Maratá, um. Eles trabalham aos sábados e domingos. O banho só é permitido quando há salva-vidas nas cascatas.

Deixe seu comentário