Trabalhos de estudantes do 6º ao 9º ano destacaram potencial turístico de Maratá e apresentaram possibilidades

Educação. Alunos da EMEF Pedro Cristiano Höher apresentaram projetos ontem

A Feira de Ciências da Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Pedro Cristiano Höher, localizada em Esperança, apresentou, através de 20 trabalhos de alunos do 6º ao 9º ano, o potencial turístico de Maratá. Com o tema “Valorizando o turismo local”, o evento ocorrido ontem trouxe ao público um pouco da história de pontos turísticos já consagrados no município e também apresentou novas propostas.

Entre os projetos possíveis para o turismo em Maratá estava a proposta do Parque Ecológico São Pedro, proposto por Caroline de Vargas Biriva, 14 anos, Julia Sipp, 14, e Eduardo Rodrigues Rosa, 15, todos do 8º ano. A sugestão deles é construir um parque na propriedade do pai de Julia, em São Pedro do Maratá, que fica a quatro quilômetros do perímetro urbano e possui arroio e açude. A ideia é apresentar aos visitantes um espaço onde eles possam se divertir e também aprender sobre ecologia.

Grupo montou proposta para criação de parque ecológico na localidade de São Pedro do Maratá

As atividades propostas vão desde oficinas de botânica, artesanato e reciclagem até tirolesa, escalada e bateria de esportes radicais. Passeio de trator e a cavalo, e andar de carrinho de rolimã também seria possível. “O trem passava pela propriedade então também há resquícios da linha férrea”, destacam. O grupo também salientou que a proposta da feira fez com que eles pensassem sobre o turismo e surgissem com a ideia do Parque Ecológico São Pedro. “É uma proposta viável e contribui gerando empregos e atraindo turistas”, ressaltaram. Havia outras propostas inovadoras como um parque temático sobre cultura alemã, o “Arroio dos Riffel e seus encantos” e a cascata de Uricana.

Entre os pontos turísticos já existentes que foram alvo dos trabalhos estão os pórticos de Maratá, a praça municipal, o prédio que abriga a Câmara de Vereadores e também o canecão do Parque Municipal da Oktoberfest. Este último foi o objeto do trabalho de Júlia dos Santos Oliveira, 16 anos, e Ismael Nicolas dos Santos Oliveira, 13. Os estudantes do 6º ano buscaram contar a história do monumento.

Julia e Ismael falaram sobre o Canecão do Parque Municipal da Oktoberfest

A pesquisa deles apurou que o Canecão era uma caixa d’água usada na linha férrea que passava por Maratá e que teve sua estação inaugurada em 1909. Os trilhos foram retirados, mas o objeto se manteve e foi revitalizado em 2003, transformando-se na representação da bebida símbolo da Oktoberfest, o chopp. “Muitas pessoas ainda acham que o monumento é apenas um canecão e não conhecem a história. A caixa d’água abastecia a Maria Fumaça”, afirmaram.

A diretora Anisete Schreiner diz que o tema surgiu em razão de um grupo que existe no município que busca o desenvolvimento do turismo local. “Os alunos acharam espaços maravilhosos onde no futuro dá para se desenvolver (um empreendimento). São ideias que estão sendo lançadas pelos alunos”, comentou. Ela reforçou ainda que o trabalho de pesquisa exigido trouxe um grande aprendizado para os alunos e contou com o engajamento de professores de diferentes áreas.

O evento também teve como atração uma exposição de esculturas em arames feitas pelo ex-aluno Jonas Holderbaum e a 1ª Exposição e Venda de Artesanato com quadros e objetos feitos pelos estudantes do contraturno.

Deixe seu comentário