Visita à antiga fábrica de calçados ajudou a definir espaço que poderia ser ocupado por atelier. FOTO: Prefeitura de Maratá

A fábrica da Kildare, que pertence à Indústria de Calçados Jacob, paralisou suas atividades em Maratá no mês de novembro de 2020 e, desde então, o Executivo marataense e demais representantes da comunidade local vêm buscando alternativas para repor os 120 empregos perdidos. Foi justamente na busca por isso que a prefeita Gisele Adriana Schneider e o vice Marcus Jacó Joner estiveram reunidos com o diretor da empresa, Eduardo Kurt Jacob, na segunda-feira, dia 8.

Em pauta estava a possibilidade de se alugar parte do prédio da empresa para que um atelier se instale no local. Segundo a prefeita, há o interesse de um empresário em iniciar a produção de calçados em Maratá, mas isso depende dos incentivos oferecidos pelo Município, além de espaço adequado.

“Buscamos alternativas viáveis e ofertamos incentivos para que empresas se instalem em Maratá, proporcionando emprego e renda aos marataenses. A Calçados Jacob sempre foi uma grande parceira do Município, e tenho certeza que esta será mais uma parceria de sucesso”, afirmou Gisele. A prefeita, junto do diretor da Indústria da Calçados Jacob e do vereador Gilberto Reidel (PTB), o Beto, visitou a sede da Kildare.

Lá, eles avaliaram o local que poderá abrigar o atelier, bem como verificaram as condições de divisão do espaço e a estrutura disponível. Conforme Eduardo Kurt Jacob, Município e futuro atelier devem decidir as medidas necessárias para, então, ser planejada a logística do local, sem que haja interferência nos espaços utilizados pelos proprietários.

Assim que forem definidos os detalhes relacionados ao espaço, bem como a confirmação da vinda do atelier, o Executivo deverá enviar à Câmara de Vereadores um Projeto de Lei (PL) concedendo incentivos, conforme conferido a todas as empresas que se instalam no Município.

Deixe seu comentário