Brigadianos prenderam traficante ligado a Fernandinho Beira-Mar durante ação em Tramandaí na semana passada Foto: Rafael Silva/BM

O grupo de policiais militares que prendeu o traficante José Paulo Vieira de Mello, conhecido como Paulo Seco, recusou o suborno de R$ 1 milhão de Seco, ligado a Fernandinho Beira-Mar. A ação ocorreu na última quinta-feira (11) e resultou na sua prisão e de outras oito pessoas (sendo dois colombianos) em Tramandaí, no Litoral Norte. Nessa semana, eles foram recebidos pelo Comando da Brigada Militar, em porto Alegre.

Para o comandante-geral da BM, Andreis Dal’Lago, a atitude demonstra na prática um ideal pregado na formação dos policiais. “É isso que sustenta a corporação nos 180 anos de existência. Nossa vida é resultado das decisões que tomamos. Estamos honrados em ter vocês como brigadianos”, enalteceu.

Os policiais mostram honra à farda. Um exemplo é o capitão Luiz Cesar com 46 anos, 25 deles como PM,  recebeu a oferta em frente aos colegas enquanto comandava operação em uma casa no balneário. Filho de militar, o policial afirmou que “honra vem de berço”. “Nosso valor está acima, não tem dinheiro que pague nossa honra. Polícia é vocação”, ressaltou.

Além de envolvimento no tráfico, Seco e os demais foram presos por uso de documentos falsos, associação criminosa e corrupção ativa. Também foram apreendidos mais de R$ 100 mil e nove veículos, incluindo uma retroescavadeira e um caminhão.

Deixe seu comentário