O ministro atendeu a um pedido liminar feito pelo MPF, argumentando que a falta dos radares pode causar danos à sociedade. Foto: reprodução internet

A Advocacia-Geral da União (AGU) vai recorrer da decisão da Justiça que revogou a suspensão da utilização de radares móveis nas rodovias federais do país. O uso de medidores de velocidade estáticos, móveis e portáteis foi suspenso pela Polícia Rodoviária Federal após determinação do Presidente Jair Bolsonaro, em agosto.

Na decisão de quarta-feira, 11, o juiz Marcelo Gentil Monteiro, da 1ª Vara Federal Cível, atendeu a um pedido liminar feito pelo Ministério Público Federal (MPF), argumentando que a falta dos radares pode causar danos à sociedade. “A urgência é patente, ante o risco de aumento do número de acidentes e mortes no trânsito em decorrência da deliberada não utilização de instrumentos escolhidos, pelos órgãos técnicos envolvidos e de acordo com as regras do Sistema Nacional de Trânsito, como necessários à fiscalização viária”, destacou o juiz. O recurso deverá ser encaminhado ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), sediado em Brasília.

Deixe seu comentário