160 novos soldados formados na Escola de Formação e Especialização de Montenegro, no dia 21. Foto: Esfes/Montenegro

OUTROS 35 soldados poderão ser designados à região através de transferências

A Brigada Militar do Vale do Caí terá aumento em seus efetivos nos próximos dias. Já está confirmado o ingresso de 12 novos soldados no policiamento da região. Além disso, o programa do Banco de Intenções de Transferência (BIT) possibilitará a “troca” de servidores, com isso, o número de novos policiais nas cidades do Vale da Felicidade pode chegar ao total de 47 agentes.

A definição das regiões de atuação dos soldados, formados no dia 21 de dezembro, em três escolas e dois pólos de ensino da Brigada Militar, ocorreu na manhã dessa terça-feira, 29. Nesta quarta-feira, 30, será divulgada lista dos municípios contemplados e o número de soldados que irá para cada um deles. No Vale do Caí, a previsão é de que cinco policiais fiquem em Montenegro, os outros sete serão alocados nas demais cidades, explica o comandante da Escola de Formação e Especialização de Soldados (Esfes), de Montenegro, major Iber Augusto Lesina Giodano.

O comandante explica ainda que a quantidade de “caras novas” atuando na cidade será maior, graças ao BIT. Servidores que pediram transferência para suas regiões de origem terão a chance de concretizar suas mudanças para ocupar vagas abertas nas demais áreas do Estado. Em contrapartida, novos soldados serão alocados no lugar dos transferidos.

Embora muitos policiais desejem retornar para perto de suas famílias, outros planejam alicerçar suas carreiras aqui mesmo, no Vale do Caí. Para o comandante do Comando Regional de Polícia Ostensiva (CRPO/VC), tenente coronel Márcio Luz, o efetivo recém formado é atraído pela qualidade de vida. “A região do Vale do Caí tem excelente condição de moradia, escolas e emprego para estabelecer a família, mantendo a vida tranquila de quem é do interior”, avalia o oficial.

Na semana passada, a escola de soldados da BM, em Montenegro, formou 165 novos PMs. O número levanta o questionamento sobre a razão de a quantidade de soldados a permanecer na região ser tão pequena, comparando ao número total de formados. A resposta para esta pergunta está relacionada aos indicadores criminais. O Vale do Caí não apresenta elevados índices de violência, como latrocínios, assaltos, e outros. “O Governo do Estado priorizou os resultados do Programa RS Seguro para estabelecer a distribuição do efetivo para os locais que apresentam índices de criminalidade preocupantes. Por conseguinte receberemos poucos soldados, certamente menos do que a nossa expectativa”, acrescenta o comandante regional.

Sobre a corporação da BM no RS
O efetivo gaúcho da Polícia Militar conta com 17.952 servidores – conforme dados do Dados do 1º Censo da Brigada Militar, divulgado no dia 17 deste mês. Desse total cerca de 900 pessoas (5% da tropa) são naturais de outros estados, como Amazonas, Bahia e Rio de Janeiro, entre outros. A maioria dos entrevistados na pesquisa disse estar satisfeita com a jornada de trabalho (74,6%), assim como com o salário recebido (54%).

“O que atrai candidatos de outros estados é, sem dúvida, a questão salarial comparativamente com as outras Policiais Militares do Brasil. A Brigada Militar obteve uma reposição/atualização salarial aprovada no Governo Tarso e que foi implementada no Governo Sartóri, que elevou nossa posição no ranking de penúltimo pior salário das PMs para as primeiras colocações”, explica o comandante do CRPO/VC, tenente-coronel Márcio Luz.

No entanto, um total de 77% dos servidores da Polícia Militar, revelaram-se como insatisfeitos ou muito insatisfeitos quanto ao plano de carreira atual. Ainda assim, o índice de reconhecimento da Brigada Militar segue alto, com 11.282 (63%) servidores afirmando se sentirem valorizados.

Deixe seu comentário