O corpo de Jadson Queiroz de Lima foi localizado na manhã do domingo. Foto: Bombeiros Voluntários de Bom Princípio

PESCARIA resultou na morte de homem de 37 anos em Vale Real

A série de afogamentos registrada desde o dia 15 de dezembro do ano passado, nas águas do Rio Caí, parecia ter dado trégua, mas isso não ocorreu. Na tarde do sábado, dia 27, Jadson Queiroz de Lima, de 37 anos, desapareceu no trecho do manancial que passa pelo município de Vale Real. Esse é o 6º óbito contabilizado na região, nas águas do Caí, em 74 dias.

O corpo do morador de Caxias do Sul foi encontrado por volta das 9h20min do domingo, dia 28, – segundo dia de trabalho da equipe de resgate – durante buscas realizadas pelas corporações dos bombeiros de Bom Princípio, de São Sebastião do Caí, da Feliz e da Defesa Civil de Vale Real. O resgate ocorreu cerca de 30 minutos após a retomada dos trabalhos, iniciados no sábado.

Uma testemunha relatou à Polícia Militar que Jadson estaria no local com um amigo e dois cunhados, pescando, quando teria tentado atravessar o rio a nado. Mas acabou cansando antes de chegar na outra margem, quando submergiu .
A vítima teria se desequilibrado na barranca do rio e caído na água.Por conta própria, optou por atravessar o rio nadando. Um amigo tentou prestar socorro, mas não conseguiu alcançar Jadson a tempo.de evitar que submergisse desaparecendo nas águas do rio.

Mortes por afogamento na região

O primeiro óbito por afogamento, neste Verão na região do Vale do Caí, ocorreu nas águas do Rio Caí no dia 15 de dezembro do ano passado, em um balneário na cidade de Harmonia. Fernando José Lenhardt, de 56 anos, foi a primeira vítima. No dia 20, Douglas Pires, de 25 anos, perdeu a vida na localidade de Picada Cará, na Feliz. Já no dia de Natal a vítima foi Jandir Rodrigues, 38 anos. No último dia do ano, 31, Leonardo da Silva Trindade, de 19 anos, morador da cidade de Antônio Prado, morreu vítima de afogamento nas águas do Rio Caí, em Vale Real.

No dia 6 de janeiro, Harmonia teve seu segundo óbito por afogamento. A vítima foi André Luis Specht, de 22 anos. André teria tentado atravessar o rio, na localidade de Vila Rica, quando desapareceu no manancial.

Outro afogamento foi registrado fora das águas do Caí, no dia seis de janeiro, elevando para sete o número de vítimas na região. Samuel Leandro Schwingel, de 28 anos, morador de Lajeado, perdeu a vida nas águas no Parque da Cascata da Vitória, em Maratá. Há sete anos, a Cidade não tinha afogamentos em suas cascatas.

Cuidados fundamentais
– Nunca mergulhe de cabeça, pois pode causar morte ou paralisia;
– Cuidado com o limo nas pedras, ele pode fazer você escorregar e cair na água;
– Se for entrar na água sempre que possível tenha alguém observando;
– Tenha cuidado com a “cabeça d’água”, este fenômeno pode acontecer mesmo sem que esteja; chovendo no local, aumentando significativamente a quantidade de água que desce nos rios, cachoeiras, não dando tempo para sair em segurança da água;
– Cuidado com buracos e fundos de lodo;
– Se mesmo com todas as dicas de prevenção você tiver uma ocorrência em rio, tente manter a calma, não lute contra a correnteza, guarde suas forças para flutuar e acene por socorro imediatamente;
– Boias e materiais flutuantes devem ficar sempre à mão, para o caso de alguém se afogue.

Deixe seu comentário