Parte da obra pode ser vista por quem passa em frente ao prédio

AMPLIAÇÃO do saguão permitirá uso de escâner e porta com sensor de objetos

O Instituto Penal de Montenegro passa por uma série de reformas e ampliações de suas instalações. A que mais chama a atenção é realizada na área de recepção ao público, bem na frente do prédio, que é vista por quem passa na rua Dr. Bruno de Andrade, próximo a rótula de acesso ao bairro Timbaúva. A obra possibilitará o uso de escâner e porta com sensor de identificação de objetos, o que resultará em melhor atendimento aos apenados e às famílias que lá vão levar itens para eles.

A construção do novo saguão começou em abril deste ano. A obra conta com recursos destinados pelas varas criminais de Montenegro, São Sebastião do Caí, do Protocolo de Ação Conjunta (Pac), doações de empresários e apoio da prefeitura local. A mão de obra é feita por cinco detentos do regime semiaberto.

A nova recepção permitirá o uso de modernos equipamentos de segurança, como escâner de raio x

Nairo Resta Ferreira, diretor do Instituto Penal, relata que a pandemia atrasou a conclusão da obra, contudo celebra o fato de, agora, faltar pouco para que seja concluída. “Eu não conseguia verbas. As verbas do judiciário foram todas destinadas para os hospitais, para atendimento a pacientes com Covid. Por isso atrasou, mas a gente está fazendo”, acrescenta o diretor.

Segundo Nairo, a necessidade de ampliar a área de recepção se deu ao fato de faltar espaço para a instalação de equipamentos importantes como o escâner de raio x, que já está no prédio há algum tempo, mas, que não tinha local para ser colocado em funcionamento. “Precisava fazer um saguão para otimizar melhor o espaço e fazer a revista, para dar um atendimento melhor ali na frente. Vai trazer melhorias pra nós que trabalhamos e pra quem chega. A gente não tinha nem espaço para fazer uma revista dos materiais de visitas, tem toda uma movimentação de entra e saí de presos, e o espaço era pequeno. Agora a gente vai conseguir organizar melhor. E tem o portal detector de metal, também, que tem que passar ali”, acrescenta o diretor.

Parte da obra pode ser vista por quem passa em frente ao prédio, na rua Dr. Bruno de Andrade

A obra também trará mudanças na parte administrativa. No andar superior do saguão foram construídas salas para a direção e para a equipe de servidores da parte de segurança. Com a mudança, as antigas salas serão utilizadas para atendimento técnico dos presos.

Ainda não há previsão para a conclusão dos trabalhos. Falta terminar o banheiro, fazer o revestimento, colocar cerâmica, forro e aberturas. E, além disso, o Plano de Prevenção Contra Incêndios (PPCI).

Outras melhorias

Nairo Resta Ferreira assumiu a direção do Instituto Penal de Montenegro em dezembro de 2017, desde então tem trabalhado para aumentar a qualidade no atendimento ao público-alvo e dar melhor condições estruturais para desempenho das atividades dos servidores da casa prisional. Este ano, mesmo com as barreiras impostas pela pandemia no novo coronavírus, o diretor conseguiu executar uma série de melhorias, como a construção de uma sala de parlatório, uma garagem para as viaturas, um banheiro para visitantes, além de reformas em alojamentos.

O local que servia de depósito de alimentos, próximo a sala da direção, foi reestruturado e agora é um amplo refeitório, que conta com equipamento de buffet, fogão e geladeira novos. Uma nova dispensa de mantimentos foi feita nos fundos do prédio. Nairo quer mais, seus planos são construir uma cozinha e também uma barbearia, na qual um apenado prestará atendimento aos demais, e implementar um laboratório de informática no prédio, entre outros.

Ajuda durante a pandemia
Nos últimos meses, o Instituto Penal de Montenegro prestou importante apoio à Susepe. Graças a restruturação de celas, diversos presos com suspeita de Covid-19 puderam aguardar o fim da quarentena em isolamento. “A gente reformou algumas celas, fizemos três celas de isolamento para Covid. Construímos banheiros para poder fazer o isolamento que não tinha. Criamos essas celas para ajudar a Susepe, a gente recolhia presos de várias cidades e depois que passava os 14 dias, eles voltavam pra casa de origem, por que não tinha isolamento nas outras”, conta Nairo.

Remição de pena
Os apenados do regime semiaberto do Instituto penal de Montenegro que trabalham com ampliação e reforma na casa prisional, contam com o benefício da remição de pena. Para cada três dias trabalhados é descontado um dia de pena a cumprir. O Instituto também desenvolve o projeto de Remição por Leitura, mas este está temporariamente interrompido, em razão da pandemia.

Atualmente, 26 apenados estão recolhidos, os demais estão encontram-se em prisão domiciliar, como prevê a justiça como forma de prevenção ao coronavírus. Contudo, em breve os detentos deverão retornar as penitenciárias.

Deixe seu comentário