Bombeiros levaram cerca de duas horas pra controlar o incêndio

VIOLÊNCIA. Vítima teria entrado em surto durante a madrugada de terça-feira

O bairro Estação, em Montenegro, foi palco de mais um triste caso de violência doméstica que por pouco não terminou em tragédia, na madrugada dessa terça-feira, 6. Após desentendimento com o companheiro, uma mulher ateou fogo na casa onde morava e tentou tirar a própria vida.

Segundo a Brigada Militar, na noite de segunda-feira, 5, através de uma medida protetiva, o homem foi afastado da casa. Mas, durante a madrugada, ele retornou, descumprindo a ordem judicial. Após novo desentendimento com a mulher, a BM foi chamada e o indivíduo foi encaminhado para a Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA).

Com o homem longe de casa, a mulher teria entrado em surto psicológico, colocado fogo no imóvel e tentado se matar. Ela pendurou uma corda na garagem da casa, mas ao tentar se enforcar acabou caindo. Nesse momento, policiais militares chegaram ao local e auxiliaram no socorro. O Samu foi chamado e encaminhou a vítima para atendimento no Hospital Montenegro (100% Sus). Os bombeiros também foram acionados. As chamas só foram controladas após duas horas de trabalho da equipe. As labaredas destruíram móveis e paredes do imóvel.

Mesmo diante da suspeita de que a mulher tenha provocado o incêndio, a Polícia Civil irá investigar o caso.

Prevenção à violência doméstica

Também nesta terça-feira, a Comissão Geral de Pareceres da Câmara de Vereadores de Montenegro aprovou a criação da Semana Municipal de Prevenção à Violência Contra a Mulher. A indicação do projeto é do vereador Talis Ferreira. “A nossa cultura tem que começar a mudar”, defende o legislador. Um dos objetivos da iniciativa é levar o tema para ser debatido junto aos alunos do município.

A Semana de Prevenção está prevista para ocorrer no começo do mês de agosto e poderá contar com a colaboração e parceria de instituições públicas e privadas, universidades e institutos federais de educação, além da comunidade escolar e entidades da sociedade civil.

Deixe seu comentário