Luís Claudio Schumacher era conhecido pela alegria e vontade de viver, além de ser lembrado pelo grande coração. foto: facebook

Fim do caminho. Bacharel de 24 anos atuava em conceituado escritório e concluía compra de apartamento

Mais uma tragédia no trânsito chamou a atenção e despertou tristeza na região neste final de semana. A morte do jovem advogado Luís Claudio Schumacher de 24 anos, em um acidente de trânsito na RSC-287, por volta das 5h da manhã de sábado, 13, chocou pela forma como ocorreu. O impacto entre o carro Fiat Pálio que Luís conduzia e um caminhão destruiu o automóvel do jovem e interrompeu seu caminho rumo a um futuro promissor. Além da saudade e dor deixados entre os familiares e parentes, o advogado partiu sem concluir projetos profissionais e pessoais.

O Pálio ficou destruído após colidir com o caminhão que tombou no acostamento

O bacharel em Direito era integrante do escritório Griebeler Advogados Associados há seis anos. Em janeiro do ano passado, formou-se pela Unisinos, de São Leopoldo, e em abril recebeu o registro da Ordem dos Advogados e passou a exercer a profissão. Direito Familiar e Causas Cíveis eram suas áreas de atuação. Atualmente fazia pós-graduação pela Universidade Feevale na área de Direito do Trabalho.

Na noite de sexta-feira, 12, Luís participou de sua última aula. No sábado, ele retornaria à faculdade no período da manhã, mas o trajeto não foi concluído. O jovem morava no bairro Santo Antônio, em Montenegro, mas na véspera do acidente, depois da aula, foi ao Rodeio de Brochier e acabou dormindo na casa da vó dele. Pela manhã, quando dava início às atividades daquele sábado acabou encontrando uma grande barreira no caminho, o caminhão com o qual colidiu.

Fora os compromissos do final de semana, Luís certamente estava ansioso pelo início desta semana. Nessa segunda-feira, 15, ele assinaria os documentos de compra de um apartamento, o primeiro imóvel próprio adquirido com os frutos de seu trabalho. A pós-graduação e a casa própria ficaram para trás, mas as lembranças que ele deixou certamente serão permanentes na memória dos colegas e amigos.

“Ele era especial”, define o advogado André Backes, com quem Luís trabalhou por mais de meia década e com quem tinha uma relação de amizade. “O Luís estava sempre sorrindo, nunca vi ele reclamar de nada. Positividade definia ele. Não importava o que acontecesse, ele sempre dizia: vamos fazer esse dia ser bom”, lembra o colega.

O fundador do escritório no qual Luís deu início à sua carreira, o advogado Marcos Griebeler, também lamenta a perda. “Excelente profissional. Com grande futuro e outras virtudes. Humilde. correto. gentil com todos e magnífico colega” avalia.
Não há informações sobre o condutor do caminhão envolvido no acidente.

O fim de uma grande amizade
Rodrigo Arnhold e Luís Claudio Schumacher mantinham uma bela relação de amizade. Os dois se conheceram no ensino médio, há mais de uma década. O tempo foi passando, cada um tomou um rumo diferente em suas atividades profissionais, mas a ligação foi mantida.

Luís Claudio Schumacher foi padrinho no casamento do amigo Rodrigo Arnhold, com Manoela Petry

No final do ano passado Rodrigo casou-se com a jornalista Manoela Petry. Luís esteve presente e ocupou um importante papel nessa história, ele foi padrinho do noivo. “Erámos muito amigos. Sempre que conseguíamos, nos reuníamos com outros amigos para um churrasco, um passeio ou só para jogar conversa fora mesmo”, conta Rodrigo. Ele afirma que o Luís era uma pessoa fora do comum. “Sempre sorridente e alegre e preocupado com o próximo.

Sempre disposto a ajudar, com uma conversa e conselhos sábios”, acrescenta. Luís também é lembrado por ter sido estudioso, trabalhador e esforçado. Por onde passava fazia amizades.

Além de estar com os amigos, nas horas vagas Luís gostava de jogar. O time do coração era o Internacional. “Também gostava de uma pescaria com amigos e família. (Pai e tios principalmente)”, conclui Rodrigo ao descrever o amigo que já deixa saudade.

Deixe seu comentário