Servidores do judiciário de Montenegro apóiam a greve

A greve dos trabalhadores da Justiça do Rio Grande do Sul começou com adesão de mais de 70% das comarcas em todo o Estado. Entre as motivações para a suspensão das atividades está a ameaça de extinção de cinco mil cargos de oficial escrevente e o congelamento de salários.

A mobilização teve início nessa terça-feira, 24. Em Porto Alegre, em frente ao Foro Central II. A atividade reuniu cerca de 200 servidores da Capital e Região Metropolitana. O grupo realizou uma caminhada até a Assembleia Legislativa para dialogar com os líderes de bancada sobre o PL 93/2017, que permite o fim de diversos cargos do Judiciário.

Conforme o sindicato da categoria, graças à pressão dos trabalhadores, o projeto não teve acordo dos líderes para inclusão na ordem do dia da sessão plenária. A direção avalia o fato como a primeira vitória do movimento paredista.

Nas comarcas do interior, os trabalhadores paralisaram as atividades e fizeram manifestações em frente aos locais de trabalho. Em Montenegro, serviço de protocolo, atendimento de medidas urgentes, audiências e julgamentos foram mantidos. Em frente ao fórum, cartazes e faixas mostrando apoio ao movimento grevista.

Deixe seu comentário