Vinícius dos Santos está desaparecido desde o dia 27 de setembro

DESESPERADA mãe de Vinícius dos Santos diz que o filho foi forçado a ir para Taquari

O jovem Vinícius dos Santos, de 17 anos, saiu de casa, no bairro Estação em Montenegro, por volta das 17h da última sexta-feira, 27, e desde então não foi mais visto. Conforme Adriana Macena, mãe do garoto, ele foi procurado por três pessoas que o forçaram a ir para Taquari em um veículo de transporte de pessoas, chamado por aplicativo de celular. A mulher suspeita que o filho tenha sido vítima de algum tipo de violência. A Polícia Civil investiga o caso.

Adriana relata que uma mulher e dois homens procuraram Vinícius para tirar satisfação sobre o desaparecimento de uma arma de fogo. O objeto teria sido furtado em Taquari, mas o jovem garantiu a eles não ter pego o objeto e acusou outra pessoa. Contudo, o trio disse que ele teria de ir até aquela cidade para prestar esclarecimento sobre o que estava afirmando. Caso contrário, eles iriam até a casa da família de Vinícius.

A mãe ressalta que o rapaz sentiu-se pressionado e, temendo que algo pudesse acontecer com sua família, concordou em ir para Taquari. Ela não sabe se o trio acompanhou seu filho, tampouco o veículo que ele usou para chegar lá, e nem se, de fato, chegou.

Desde aquela tarde, o celular de Vinícius está desligado e não há nenhuma informação sobre paradeiro do adolescente. “Estou desesperada. Não consigo comer, só choro. Eu e meu marido estamos indo nos hospitais pra ver se conseguimos alguma pista, mas até agora não soubemos de nada”, relata Adriana.

Ela afirma que o jovem conheceu o grupo de pessoas através de um parente. E que eles não eram amigos, apenas conhecidos. A mãe nega que o filho tenha algum tipo de envolvimento com drogas.

No dia do desaparecimento, Vinícius vestia uma bermuda Jeans, cor clara, uma camisa do time Paris Saint-Germain e uma jaqueta bege. Os documentos do jovem ficaram em casa.

Qualquer informação sobre Vinícius pode ser repassada para a família através do número 51 9 8030 9137. Contatado pela reportagem, o delegado titular da 1ª Delegacia de Polícia de Montenegro (1ªDP) não se manifestou sobre o caso.

Deixe seu comentário