Tamires mostra o local onde o cachorro teria pego a salsicha envenenada

Risco. Em três dias, quatro animais foram mortos e mães temem por crianças

De sábado até o final da tarde de segunda-feira, quatro casos de envenenamento de animais foram registrados na rua Recife, no bairro Germano Henk, em Montenegro. A situação preocupa os moradores que temem pela segurança de seus filhos.

O primeiro registro ocorreu na noite do dia 24. Segundo a dona de casa Juliana Pereira dos Santos, 34 anos, sua vizinha perdeu dois gatos devido à ingestão de alimentos contaminados por veneno. Um dos animais começou a passar mal dentro de casa e faleceu na manhã de domingo. Ao abrir a casa, a família percebeu que outro felino encontrava-se na mesma condição.

Moradores temem que outros animais e até crianças sejam vítimas

Ainda no domingo, na mesma quadra, por um pedaço pequeno de salsicha, Dom, o cachorro da família de Tamires Martins Vanzing, 27, teve o mesmo fim que os gatos. Conforme Tamires, o animal saiu do pátio para encontrar a irmã dela que chagava em casa, cerca de cinco minutos depois de ter ido à rua Dom começou a agir de forma estranha. “Pensamos que ele estivesse engasgado. Meu cunhado verificou a garganta dele e não encontrou nada, foi aí que pensamos em envenenamento”, relata. Tamires conta que uma salsicha foi encontrada no terreno, mas que o animal não chegou a dar mais do que uma mordida no alimento. Ao checar imagens da câmera de segurança da casa da irmã, eles visualizaram quando o cão pega algo próximo à lixeira, na calçada.

“É um sentimento de dor”, diz a moradora. De acordo com ela, sua filha de dois anos e meio não para de falar no cachorro e não quer se alimentar.

Risco também para as crianças
Juliana Pereira também sofreu a perda de um animal vítima de envenenamento. O gato Manu foi encontrado agonizando embaixo de um carro que estava estacionado na via. Mãe de cinco filhos, ela teme que os menores, de sete, quatro e dois anos, acabem consumindo produtos contaminados. Isso porque, segundo ela, sua filha menor costuma colocar na boca tudo que encontra pela frente. Diante do risco, Juliana não está mais deixando as meninas brincarem na rua, como de costume. “Essa situação me causa muita indignação”, comenta.

Ambas as moradoras suspeitam da autoria do crime. Para elas, o ato pode ter sido praticado por uma pessoa que não se conforma com o fato de o carteiro não estar mais passando pela rua devido aos cachorros avançarem nele. Tamires e Juliana querem que o criminoso seja encontrado e responsabilizado pelo que fez. Ambas pediram ajuda ao vereador Talis Ferreira, este se comprometeu em registrar um boletim de ocorrência para que o caso seja investigado pela Polícia Civil.

A Delegacia de Polícia de Pronto de Montenegro está apurando o número de casos suspeitos de envenenamento registrados durante o ano passado. No mês de janeiro de 2018 não houve nenhuma comunicação.

Deixe seu comentário