Davi das Chagas está desaparecido desde o dia 8

MISTÉRIO intriga famílias que sofrem sem notícias dos filhos

Duas famílias de Montenegro vivem o drama do desaparecimento de seus filhos. No bairro Centenário, a angústia da família de Rita Daniela Silva das Chagas, teve início no dia 8 de outubro, com o sumiço de filho Davi das Chagas, de 19 anos. Já no bairro Senai, a aflição de seu Moisés Fabrasil e da esposa dele, Fabiana de Almeida, vem de mais tempo. A filha do casal, Gabriela da Silva, de 16 anos, está desaparecida desde o dia 3 de março, deste ano. Ambos os casos são investigados pela Polícia Civil, mas, até o momento nada de concreto aponta para o desfecho dessas histórias.

Rita conta que o filho chegava a passar até três dias na casa de uma amiga, que mora próximo ao Cais Porto das laranjeiras, mas, sempre ligava ou mandava mensagens para os pais. No dia em que desapareceu, Davi chegou a encaminhar uma mensagem para o pai dizendo que precisava de ajuda para mudar de vida. A amiga dele disse para Rita que a última vez que viu Davi, ele estava a bordo de um carro branco, próximo ao Rio.

Segundo Rita, há cerca de um ano o rapaz começou a apresentar comportamento estranho, parou de estudar e largou a escola. “Ele começou a se envolver com umas pessoas que a gente nem sabe quem são”, conta a mãe. Há algum tempo, Davi começou a sofrer ameaças. Os próprios pais foram pressionados, por um indivíduo, para pagar uma dívida que o jovem teria com o sujeito.

Rita registrou ocorrência pelo desaparecimento do filho, mas, até o momento não há novidades. Na tarde dessa terça-feira, 26, ela esteve na delegacia de Polícia para saber mais sobre a investigação. Segundo Rita, a Polícia irá rastrear o celular de Davi e irá ouvir a amiga com quem ele mantinha mais proximidade. A família disponibiliza dois contatos, para quem tiver alguma informação,são eles: 51 9 9761 4767 e o 9 9611 1224.

Segue o mistério da garota desaparecida
Gabriela da Silva saiu de casa, no bairro Senai, à tardinha, no dia 3 de março, somente com a roupa que vestia e o celular do pai dela. Dependente química, fazia apenas quatro dias que a jovem havia saído de uma clínica de reabilitação para voltar a morar com os pais. Seu Moisés conta que a filha passou por traumas de infância, inclusive, uma passagem envolvendo crime sexual. Para ele, o comportamento da garota está associado a essas marcas do passado.

A procura por Gabriela começou logo que a família sentiu sua ausência. Moisés e Cristiane Silva, tia de Gabriela, saíra, pelas ruas do bairro Senai perguntando, para quem encontravam pela frente, se tinham visto a adolescente. Uma dessas pessoas disse que viu ela entrando em um carro. A informação foi apurada, mas não se confirmou. As redes sociais também são usadas para tentar conseguir alguma pista. “Tudo que passam pra gente, vamos atrás procurar. Fomos até Novo Hamburgo, São Leopoldo, Porto Alegre… chegaram muitas informações, mas nada de concreto”, relata Cristiane.

Gabriela desapareceu no dia 3 de março deste ano

Sobre a investigação do caso Gabriela
A Polícia Civil, através da 1ª Delegacia de Polícia Civil (DP), de Montenegro, tomou depoimentos e realizou diligências. Um jovem chegou a ser apreendido e encaminhado para prestar esclarecimentos sobre mensagens que havia trocado com outra pessoa, nas quais afirmava que sabia onde estaria Gabriela. Contudo, ao ser pressionado, ele negou e disse que o teor da conversa era mentiroso, que havia feito aquilo para “impressionar” a pessoa com quem trocava mensagens. Sem provas concretas da relação do rapaz com o desaparecimento de Gabriela, ele foi liberado pela Polícia.

Segundo o delegado André Roese, titular d a1ª DP, a PC segue fazendo seu trabalho na tentativa de elucidar o que aconteceu com Gabriela. Ele não dá detalhes sobre a investigação para a imprensa e nem para a família da garota, e, isso tem deixado os pais de Gabriela ainda mais desesperados. “Não falam o que está sendo feito. A gente pergunta e só mandam uma mensagem dizendo que estão investigando e um sinal de negativo, para dizer que até agora não há novidades”, relata insatisfeito seu Moisés.

Os pais e a tia de Gabriela mantêm a esperança de que a jovem esteja viva e reapareça

O Ministério Público de Montenegro diz que, em conjunto com a Polícia, utilizou ferramentas tecnológicas para obter pistas, mas, as tentativas foram frustradas. Sem progressos nas linhas de investigação seguidas, o MP optou por arquivar o caso.

Deixe seu comentário