Samu chega ao seu 13º aniversário com fôlego para continuar atendendo a região

Deu um acidente de trânsito? Chama o Samu! Alguém desmaiou na rua? Liga “pra” Samu. Frases como estas são comumente usadas por, praticamente, toda a população quando alguém precisa de socorro. De tanta gente lembrar que tem que chamar o Serviço de Atendimento Médico de Urgência no ano passado, o Samu atingiu a marca de 3 mil atendimentos prestados, 843 casos a mais que em 2017, quando foram socorridos 2.157 cidadãos.

Nesta quarta-feira, 13, a unidade do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) completou 13 anos de serviços prestados à comunidade de Montenegro e região. O momento é de celebrar os números de atendimentos. E de ser lembrado pela sociedade por outro motivo: pela importância que o serviço tem para a região. Os profissionais que atuam nos salvamentos mostram sensação de dever cumprido e orgulho pela profissão que escolheram.

O Samu conta com 37 integrantes que se revezam, em equipes, para prestar serviços durante 24 horas por dia. Cada grupo é formado por profissionais de diferentes especialidades, como enfermeiros, técnicos de enfermagem, condutores e médicos. Além de prestar socorro em casos de urgência e emergência, os servidores também promovem palestras em escolas. O objetivo é inteirar a população sobre as atribuições do Samu e também passar orientações de primeiros socorros.

A unidade local atua também nos municípios de Tabaí, São José do Sul, Pareci Novo e Capela de Santana. O Samu é conhecido, principalmente, pelo serviço prestado em casos de acidentes de trânsito, mas não se restringe a esse tipo de socorro. Os atendentes promovem auxílio em casos como AVC, infarto, afogamento e outros que coloquem vidas em risco. O Samu também conta com o NEP (Núcleo de Educação Permanente) que já capacitou cerca de duas mil pessoas, desde que foi criado, em 2016.

A coordenadora da equipe de enfermagem do Samu, Valdinéia Druzian, tem motivos de sobra para celebrar os 13 anos da instituição. Isso porque nessa data ela também completa 13 anos de serviços prestados ao Samu. Apaixonada pelo serviço, ela afirma que não trocaria de atividade. “É gratificante. Temos momentos estressantes, mas, em geral, é maravilhoso”, relata.

Valdinéia está acostumada com a rotina, mas alguns casos acabam comovendo a profissional. “Casos de acidentes envolvendo crianças acabam me tocando”, revela uma das profissionais mais antigas do Samu.

Deixe seu comentário