Segurança é um dos temas tratados durante as aulas práticas

Trânsito. Na área de cobertura do Ibiá, dado cresceu 6,45% desde 2015, somando 21.285 condutores deste veículo

O número de pessoas habilitadas para pilotar motocicletas cresceu 2% na comparação de 2018 com 2017 na área de cobertura do Jornal Ibiá – Montenegro, Brochier, Maratá, Pareci Novo e São José do Sul – de 20.868 para 21.285. Em um recorte temporal maior, a evolução desde 2015, quando eram 20.000, foi de 6,45%.

Os dados do Departamento Estadual de Trânsito do Rio Grande do Sul (Detran/RS) levam em conta as pessoas habilitadas para dirigir esse veículo nas cinco categorias diferentes A, AB, AC, AD e AE. O total da frota de motocicletas, motonetas e ciclomotores nos cinco municípios é de 11.701, de acordo com levantamento mais recente.

O índice de condutores habilitados para motos também cresceu em São Sebastião do Caí e Triunfo. De 2015 a 2018, 9,03% e 5,77%, respectivamente. No Caí, há 5.057 e na cidade da Região Carbonífera, 4.487.

Se por um lado os dados mostram o acesso a bens de consumo sonhados por muita gente, por outro evidenciam a necessidade de um cuidado e atenção redobrados. Somente no ano passado, 388 motociclistas perderam a vida nas nossas estradas, representando, 24,1%, do total de 1.612 casos. O balanço não detalha quanto dos 274 passageiros mortos estavam em motos.

“Na moto, é muito importante ter uma condução defensiva, pois a possibilidade de ocorrer uma lesão grave é maior do que em um carro, onde as pessoas ficam mais protegidas”, comenta o instrutor de um Centro de Formação de Condutores (CFC) Caio Rafael Claus da Silva.

Ele aconselha os novos condutores a praticarem em ruas menos movimentas, antes de transitarem nas vias mais rápidas. Outra dica importante é estar de olho no trânsito como um todo. “Às vezes, a pessoa está certa e acaba se envolvendo em um acidente no qual acaba com lesões”, frisa.

A diretora de ensino e psicóloga da instituição, Vanessa Bozzetto, cita o baixo valor na comparação com os carros, a economia de combustível e o fato de proporciona uma maior mobilidade como atrativos da moto. “O nosso objetivo é formar um condutor responsável e em busca de um trânsito seguro. O trânsito somos nós que fazemos. A gente sabe dos riscos da moto e alerta para isso”, finaliza.

Cuidados
– Atenção a outra motos para evitar choques laterais
– Caroneiro e em chão batido podem causar desequilíbrio
– Trocar os pneus quando estiverem gastos
– Areia, brita, óleo, água, animais e outros objetos representam perigo de queda
– Não exceder a velocidade permitida e respeitar a sinalização

Deixe seu comentário