A Delegacia Regional da Polícia Civil está localizada na Avenida Júlio Renner, em Montenegro

BIMESTRE. Polícia articula ações para descapitalizar quadrilhas e reduzir ainda mais os indicadores criminais

De 1º de janeiro até 29 de fevereiro deste ano, houve queda no número de homicídios dolosos registrados nas cidades de abrangência da Delegacia de Polícia Regional do Vale do Caí. A redução mais expressiva se dá em Triunfo, cidade na qual, no mesmo período do ano passado, foram registrados sete assassinatos. Nos dois primeiros meses de 2020 houve um caso. Os dados são da secretaria de Segurança Publica do Estado (SSP/RS). A Polícia foca na desarticulação das quadrilhas para reduzir ainda mais os indicadores criminais.

Para o delegado regional Marcelo Farias Pereira, ações preventivas realizadas em conjunto entre Polícia Civil e Brigada Militar, além de parcerias formadas com outros órgãos de Segurança Pública, contribuem para reduzir os assassinatos registrada na região. O trabalho realizado por delegados como Lúcio Melo, da Delegacia de Triunfo, e Cleusa Spinato, de São Sebastião do Caí, também é enfatizado pelo gestor regional.

“Há dois anos tivemos um grande número de homicídios em São Sebastião do Caí, e destacamos que praticamente todos foram solucionados. No ano passado tivemos um número acentuado, que fugia da curva, no município de Triunfo. Tivemos aquele caso chocante do vizinho que matou quatro pessoas. Mas também tivemos grande redução, fruto desse trabalho forte das delegacias”, analisa o delegado regional. “A gente consegue identificar a autoria e encaminhar as provas ao Poder Judiciário”, acrescenta.

O resultado observado no primeiro bimestre dá mais ânimo para continuar trabalhando, diz o delegado Marcelo. Ações estratégicas podem contribuir para uma queda ainda maior nos índices criminais. A Polícia busca enfraquecer a atuação das quadrilhas por meio da descapitalização. “Vamos atacar a parte patrimonial dos criminosos, esse é nosso objetivo”, diz Marcelo. “Vamos trabalhar no combate a lavagem de dinheiro feita pelas organizações criminosas, vamos atacar o bolso dessas organizações”, enfatiza.

Delegado Regional Marcelo Farias Pereira
O delegado Lúcio Melo, de Triunfo, avalia que os números são resultado da qualidade e eficiência da equipe que trabalha na apuração dos fatos e elucidação dos delitos. “Certamente a repressão qualificada, com apuração aproximada de 92% dos casos ocorridos no ano passado e com diversas prisões preventivas decretadas, inibe o cometimento de novos delitos, tendo em vista que a impunidade é um fator de estímulo para os criminosos”, comenta Lúcio.

A delegada Cleusa Spinato, do Caí, destaca que nos dois últimos anos a cidade não teve crimes de homicídio relacionados ao tráfico de drogas. Isso é motivo para comemorar, já que em 2017 foram contabilizadas 9 mortes e sete tentativas de homicídio (nos 12 meses do ano), devido a disputa pelo controle do tráfico. “Foram priorizadas essas investigações, com a realização de inúmeras operações policiais para cumprimento de mandados de busca e de prisões, que serviram para elucidar os fatos, prender os envolvidos e desta forma pacificar o município”, conta a delegada. “Por consequência nos dois anos seguintes, 2018 e 2019, não tivemos fatos desta natureza, ou seja, homicídios motivados pelo Tráfico! E neste início de 2020 da mesma forma”, conclui.

Dados do Estado
O Rio Grande do Sul encerrou o segundo mês de 2020 com 66 homicídios a menos do que no mesmo período do ano passado. O acumulado de 314 assassinatos entre janeiro e fevereiro é o menor para o 1º bimestre desde 2011, quando a soma foi de 301 vítimas, e também representa queda de 17,4% na comparação com os 380 óbitos registrados em igual intervalo de 2019.

Homicídios no primeiro bimestre
Municípios 2018 2019 2020
Montenegro 0 – 1 0 – 0 0 – 2
S.S. Caí 0 – 0 0 – 0 0 – 1
Triunfo 2 – 2 3 – 7 1 – 0

Deixe seu comentário