ELES cometeram erros e estão pagando. Elas aguardam ansiosas para receber um abraço

O Dia das Mães é uma data especial na qual a maioria das mulheres que tiveram a possibilidade de dar à luz ou adotar um ser humano, espera receber ainda mais carinho e atenção que em ocasiões comuns. Receber um abraço aconchegante e reunir a família para almoçar é o que toda mamãe quer nesse dia, mas nem todas podem desfrutar destes momentos. Gessi de Oliveira de 57 anos e Marli Hinschinck, 50, fazem parte do grupo de mães que não estarão com os filhos, pois estes estão encarcerados.

Enquanto aguardavam para visitar seus filhos, ambas aceitaram conversar com a reportagem do Jornal Ibiá para relatar a experiência de estar longe de quem amam, em uma ocasião tão especial como este domingo. Olhando para o alto muro da penitenciária, as lágrimas caem do rosto daquela que dedicou sua vida a cuidar dos filhos e que acredita que um deles só está preso porque quis lhe defender.

Gessi se emociona ao lembrar que este será o terceiro Dia das Mães longe do filho

Este é o terceiro ano que Gessi passa o Dia das Mães sem a presença do filho, preso há 30 meses após ser condenado pelo crime de tentativa de homicídio de seus tio e tia. “Eles está aqui por que foi me defender do meu irmão e da minha cunhada. Por duas vezes eles me surraram”, conta Gessi.

Além do filho de 38 anos, que está na Penitenciária Modulada Estadual Agente Jair Fiorin, em Montenegro, Gessi tem outros quatro filhos. Mas a presença dos demais não ameniza a saudade que sente daquele que não poderá lhe demonstrar amor nesta data. “Mãe nenhuma queria que o filho estivesse preso. Fico muito triste”, desabafa.

Enquanto Gessi chega ao terceiro Dia das Mães longe do filho, Marli Hinschinck irá passar por isso pela primeira vez. Há três meses o filho dela, de 31 anos, foi detido ao ser flagrado praticando crime de furto. Ele está aprisionado aguardando julgamento. A mãe acredita que não haverá condenação. Mas até que a decisão da justiça seja tomada, o jeito vai ser enfrentar a saudade. “Ele se envolveu com más companhias e deu nisso. Caiu na cadeia por causa de um celular que pegou. Acho que ele não vai ficar muito tempo”, crê a senhora.

Marli espera ver o filho livre para passar as próximas datas festivas em casa, junto com a esposa e os filhos

Marli, assim como Gessi, tem cinco filhos. Mas a companhia de todos os que estão livres não será capaz de compensar a falta daquele que está preso. “Sempre passei com todos os meus filhos. Nunca tive problema com ele, nunca foi um filho ruim”, relata.

Deixe seu comentário