Em um dos casos, condutor deixou até o carro no local. Foto: Leitor por WhatsApp/Arquivo Jornal Ibiá

Irresponsabilide e falta de solidariedade. Desde agosto, foram pelo menos cinco casos registrados em Montenegro

O número de motoristas envolvidos em acidentes que deixaram o local sem prestar socorro às vítimas chama a atenção em Montenegro desde agosto. Foram pelo menos cinco episódios como esse desde o mês passado. Nessas ocorrências, o infrator pode ser enquadrado no artigo 176 do Código Brasileiro de Trânsito, com multa de R$ 957,70 e suspensão do direito de dirigir. E o mais grave, em casos de lesão corporal ou homicídios culposos, deixar de fugir evita a prisão.

O fato mais recente ocorreu no feriado de 7 de setembro. A Polícia Rodoviária Estadual de Montenegro (PRE) atendeu um acidente do tipo colisão transversal no quilômetro 2 da RSC-287. O incidente envolveu uma moto Honda CG 150 Titan e um Corsa. O condutor do carro fugiu do local sem prestar socorro à vítima, um homem de 43 anos, que não teve o nome divulgado pela polícia.

As autoridades policiais não deverão ter dificuldades para identificar quem dirigia o veículo Fiat Palio, causador de acidente com lesões, na noite do dia 29 de agosto. Ele fugiu do local do acidente – no quilômetro 1 da RSC-287, acesso aos bairros Centro e Santo Antônio pela rua Ramiro Barcelos – porém abandonou o automóvel.

Segundo relato da PRE, por volta das 22 horas, o Palio estava no acostamento da pista sentido Montenegro/Capela de Santana, após o trevo do posto Ipiranga. No momento em que tentou ingressar na rodovia, colidiu lateralmente com uma motoneta Honda Biz, que deslocava no mesmo sentido. A piloto, de 27 anos, se feriu e foi socorrida ao Hospital Montenegro (HM).

O titular da 1ª Delegacia de Polícia de Montenegro, Paulo Ricardo Costa, ressalta não ser difícil identificar os autores deste tipo de delito. Somente em Montenegro, já são três nessa situação em 2018, em dois há até foto dos carros. “Evita a prisão, isso é dispositivo legal”, comenta. Porém ressalta como ainda mais importante o lado humano. “Qualquer religião tem isso no seu fundamento, qualquer povo organizado tem isso. E se acontecesse comigo? Como o meu filho? Como eu gostaria que agissem? É muito desumano isso, pois a pessoa está penando”, sublinha.

Deixou para trás a placa do carro
No dia 25 de agosto, um carro bateu na traseira de uma moto, jogando a motociclista para o mato da ERS-124 – entre os bairros Germano Henke e Estação. De acordo com familiares da vítima, o condutor do automóvel fugiu sem prestar socorro, mas deixou para trás a placa, que ficou presa à motocicleta. A motociclista foi levada ao HM com ferimentos leves.

No dia seguinte, por volta das 6h45min, na rua Hans Varelmann, no bairro Timbaúva, quando um VW Gol e um Fiat Tipo se envolveram em uma batida. Acionada, a Brigada Militar chegou ao local e encontrou apenas o condutor do Gol. O Fiat deixou o local. Uma das passageiras do veículo Volkswagen sofreu ferimentos e foi levada ao Hospital Montenegro. Na Delegacia, depois de liberada, ela contou aos policiais acreditar que o motorista e os passageiros do Tipo estariam voltando de alguma festa e, por isso, fugiram antes da chegada das autoridades.

Um outro fato ocorreu no começo do mês. Em um sábado, quando um jovem de 20 anos retornava do trabalho para a casa no bairro Faxinal de bicicleta. Ele foi atingido de frente por um carro na estrada Selma Wallauer que deixou o local. Por sorte, com a queda ele apenas fraturou o nariz. “Pouco antes, uns amigos meus tinham visto ele correndo em zigue-zague. Acho que devia ter bebido e fugiu por causa disso”, cogita.
Pedindo para não ser identificado, ele mostra indignação com o fato de o homem ter deixado ido embora sem prestar socorro. O jovem precisará passar por cirurgia no nariz.

Deixe seu comentário