A prática do treinamento ocorre na Escola da Brigada Militar, em Montenegro

POLÍCIA CIVIL busca nivelar conhecimento de seus agentes

A 1ª Região Policial, a qual Montenegro pertence, está capacitando seus agentes em um curso de aperfeiçoamento para uso de pistolas .40. A 5ª edição do treinamento teve início nessa terça-feira, 20, com aulas executadas, na parte da manhã, no auditório da Central de Polícia do Vale do Caí e, no período da tarde, na Escola de Formação e Especialização de Soldados da Brigada Militar (Esfes) onde foram desenvolvidos treinamentos práticos.

Três instrutores da Academia de Polícia Civil (Acadepol) do Estado são os responsáveis por aplicar conteúdos teóricos e práticos. O inspetor de polícia Ricardo Pessoa ressalta que o objetivo do treinamento é rever conceitos e práticas, que já são de conhecimento dos participantes do curso, mas, que valem ser recapituladas.

O treinamento ocorre durante dois dias (20 e 21). “No primeiro dia são passados os conceitos teóricos. Na primeira parte da tarde é feita revisão de fundamentos, vemos como os policiais estão e o que dá para melhorar . No segundo dia, já com o conhecimento adquirido, a gente parte para o aperfeiçoamento, com técnicas mais avançadas”, explica Ricardo.

Ao todo, 20 servidores da Polícia Civil de vários municípios da região, entre delegados, inspetores, investigadores e outros, participam desta edição do treinamento. Nos dias 27 e 28 serão realizadas novas aulas voltadas a outro grupo de profissionais. “É um treinamento promovido com frequência pela Acadepol. A Polícia procura criar uma periodicidade maior para realizar esse treinamento em todas as regiões”, ressalta Márcio Cesa, inspetor de polícia e instrutor do curso.

O treinamento é ministrado por três instrutores da Academia de Polícia Civil .

Segundo Márcio, a pistola .40 é o tipo de armamento de uso mais comum entre policias civis e também militares, por isso a importância de conhecer bem com o que se está lidando. “A gente procura pregar sempre a filosofia do treinamento constante, ainda que o Estado não consiga suprir essa necessidade para todos os agentes, precisamos incutido na cabeça de todos os policiais que vivemos na Segurança Pública uma situação em que precisamos estar em constante alerta e treinamento”, avalia o instrutor.

O comissário Átila Duarte, assim como Márcio, possui seis anos de experiência em treinamentos. Segundo Átila, cursos para aperfeiçoamento de uso de armas maiores, como fuzis e carabinas, por exemplo, também são ofertados com frequência pela PC gaúcha.

Deixe seu comentário