Em debate, a forma como as crianças são ensinadas a escrever na escola

Alfabetizar em uma época em que tablets, smartphones e computadores ganham cada vez mais espaço dentro das casas pode ser uma tarefa difícil.Acostumadas desde muito cedo aos aplicativos e à escrita da internet, as crianças já chegam ao ambiente escolar, mesmo sem saber ler ou escrever, familiarizadas com o alfabeto de “forma”, aquele com letras separadas, assim como esta que você está lendo.

Há países, como Estados Unidos, que em sua cartilha de ensino básico, chamada “Iniciativa para um Padrão Comum de Currículo”, presente em 40 estados americanos, defende a extinção da escrita cursiva – ou emendada – de seu ensino. A novidade ainda não chegou por aqui, mas como o país tem a mania de “copiar” o que vem de fora, o ideal é começar o debate logo.

Trazer a realidade da criança para a sala de aula pode facilitar o processo de aprendizagem. Porém, de acordo com a secretária municipal de Educação, Rita Carneiro Fleck, é importante que, além de reconhecer uma palavra e interpretá-la, a criança entenda a função social da escrita na vida.

“O professor, durante o processo de alfabetização, precisa apresentar para a criança as diferentes formas de escrever as palavras, em letra cursiva e de forma, oportunizando, assim, que seu aluno se torne um leitor competente”, destaca.

Apesar disso, Rita salienta que não há nenhum programa nacional que determine o tipo de letra que deve ser utilizado dentro da sala de aula, cabendo ao professor escolher. “As mudanças e adaptações vão ocorrendo dentro do tempo histórico que vivemos, e daí pensar em letra cursiva ou de forma é apenas um detalhe. O importante da escrita é que ela tenha sentido e estabeleça a comunicação”, afirma.

A grande oportunidade de ler
Em um país onde o nível de analfabetismo em 2016 ultrapassava os 12 milhões, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ter a oportunidade de ser alfabetizado é um grande privilégio. As letras, sejam cursivas ou de forma, não chegam a todos os cantos do país, menos ainda a toda população brasileira. Infelizmente.

Na rede municipal de ensino, a educação tem o objetivo de oportunizar, transformando a vida de crianças e jovens, independentemente de como se dê o processo. “Não tem porque se pautar num determinado tipo de letra, se o grande objetivo é que o aluno se torne um leitor e escritor autônomo e competente”, conclui a secretária Rita.

Tipos de letra
Para quem ainda não conhece ou não se lembra de ter ouvido os termos, letra cursiva é a comumente conhecida como emendada. Já o modelo mais comum em revistas e jornais é a letra de forma, onde a escrita é fragmentada.

Dia Mundial da Alfabetização
Nesta sexta-feira, é comemorado o Dia Mundial da Alfabetização. A data foi criada pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 1967. A alfabetização é a principal ferramenta para o ensino e contribui diretamente para o conhecimento. Além disso, o processo de alfabetização contribui para uma sociedade mais igualitária, de oportunidades e aprendizagem.

Deixe seu comentário