Universidade funciona em prédio alugado da Fundarte. FOTO: ARQUIVO/JORNAL IBIÁ

Gestão da universidade, porém, apoia tratativas para uma sede própria na cidade

“A gestão da Uergs informa que não há estudo em andamento para a transferência da Unidade de Montenegro para outro prédio ou cidade.” Essa foi a resposta da assessoria de comunicação da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul à reportagem do Ibiá, enviada na última semana semana. O questionamento havia sido encaminhado no dia 20 de outubro.

A pauta da possível saída da instituição de ensino do Município surgiu em julho. Foi quando o Governo do Estado oficializou o repasse do imóvel da antiga Fundação de Ciência e Tecnologia, em Porto Alegre, para a universidade. Declarações da reitoria, então, deram conta de que o espaço criava a oportunidade de reduzir um pouco dos quase R$ 2,5 milhões que a instituição vem gastando por ano com locações em suas diferentes unidades pelo interior. Como o local, em Montenegro, é alugado da Fundarte, alunos e ex-alunos começaram a se movimentar para garantir a continuidade da Uergs no Município.

Ainda que a gestão da Uergs negue, agora, que estuda a transferência, o movimento tem saldo positivo. Ele chegou à Câmara de Vereadores e, impulsionado pelo vereador suplente Rodrigo Corrêa (PDT) e os colegas Lucas Braga e Carla Pozo, do mandato coletivo; e trouxe para debate outras demandas da universidade em Montenegro. A principal delas, já bem antiga, a de uma sede própria na cidade.

Dali, foi formada uma “Comissão pela Permanência dos Cursos de Arte da Uergs em Montenegro” e, no último dia 8, o trio apresentou um documento que será entregue ao Governo do Estado pedindo a cedência de um terreno no bairro Centenário – o que era ocupado pelos índios – para a universidade. A Prefeitura já se comprometeu em apoiar a causa e, segundo o vice-prefeito Cristiano Braatz, se esgotadas as possibilidades com o Estado, o próprio Município cederá uma área sua à instituição estadual.

A secretaria de Educação do Estado, à qual o terreno no Centenário está vinculado, está ciente da intenção e analisa o caso. A nota da gestão da Uergs, enviada ao Ibiá, informa que intenção de repassar um terreno é conhecida e bem-vinda. “Isso é positivo por ratificar a relevância do ensino superior ofertado à essa comunidade, para o desenvolvimento qualificado de futuros profissionais e para as áreas artísticas que são desenvolvidas nos cursos”, completa.

Deixe seu comentário