Um dos diferenciais são as reuniões mensais com os diretores que falam, dentre outros temas, sobre o posicionamento da empresa no mercado

Diferentes iniciativas renderam à montenegrina o selo “Great Place to Work” neste ano

Uma das melhores empresas para trabalhar no Brasil fica em Montenegro. Como já noticiado pelo Ibiá, a Poker conquistou neste ano o selo “Great Place to Work” (um ótimo lugar para trabalhar, em tradução livre do Inglês). O reconhecimento é concedido por uma conceituada empresa de consultoria, que tem atuação em 61 países. Ele atesta as boas práticas da fábrica de artigos esportivos no que se refere ao bem-estar de seus colaboradores. Mas o que será que o selo reflete, na prática, dentro da empresa? Muita coisa.

A gerente administrativa da Poker, Cibele Salazar, aponta que são diversas as iniciativas em prática em prol dos funcionários. Há um esforço coletivo por uma equipe mais unida e feliz para trabalhar pelos melhores resultados possíveis.

Cibele Salazar, gerente administrativa da unidade

Uma vez por mês, por exemplo, os dois diretores da organização sentam-se com o grupo de 58 colaboradores para falar sobre o andamento da marca no mercado, quais são suas metas de negócios e também apresentar os resultados alcançados. Ali, “abrindo o jogo” e fazendo com que a equipe se sinta, de fato, parte do empreendimento.

Mensalmente, por lá, os líderes de cada setor se reúnem para um bate-papo, com troca de experiências e capacitações pela melhor liderança de cada área. Uma vez por ano, também há o “ciclo de feedback” com os líderes e seus liderados, um momento individual para discutir e pesar erros e acertos. “Tem bastantes práticas de qualificação e de comunicação”, resume Cibele.

A empresa vai além. Em agosto deste ano, uma das atividades feitas para a equipe foi a “Semana + Saúde”, com dias dedicados não só aos cuidados com o corpo, mas também orientações mais completas para diferentes necessidades do dia a dia. Abordaram desde a atenção com o cabelo até a preocupação com o correto preenchimento das declarações de Imposto de Renda.

Todo mês, ainda, a Poker distribui frutas aos colaboradores e introduz a prática esportiva de formas variadas. Em outubro, por exemplo, foi uma sessão de massagem, mas já teve step e até yoga, apresentando modalidades que, do contrário, teriam que ser pagas para serem acessadas.

O step foi uma das atrações. Mas já teve yoga e massagens para os colaboradores

No último Dia das Crianças, uma festa! Teve amarelinha e buffet de sorvete para todos. “São integrações para dizer: ‘estamos aqui contigo, não só para cobrar resultados, mas também para dividir datas especiais’”, adiciona a gerente. “Nós temos uma equipe muito boa, que abraça as ideias e que busca estar sempre participando.”

Atividades diferenciadas são pensadas para unir o grupo e valorizar o capital humano

APROVAÇÃO

Conquistar o “Great Place to Work” foi uma iniciativa da própria Poker, que buscou a certificadora para se submeter ao teste. A entidade, com metodologia própria, conduziu, então, uma pesquisa de duas semanas que foi realizada de forma online junto aos colaboradores e sem nenhuma interferência da empresa.

Foi uma espécie de questionário com mais de 50 afirmações para que cada membro dissesse, em percentual, o quanto concordava com o que estava sendo afirmado. Tratavam de credibilidade, respeito, imparcialidade, orgulho e camaradagem. Numa das mais importantes – “a Poker é um excelente lugar para trabalhar” – houve 94% de concordância. Um êxito, já que o nível de satisfação mínimo para a obtenção do selo era de 70%.

O teste foi aplicado no início de setembro e, logo no mês seguinte, a direção organizou um workshop para analisar e buscar melhorar em todos os pontos que ficaram abaixo dos 80%. “É para saber como podemos ser melhores ainda”, explica Cibele. “Sempre tem o que melhorar. Isso não para nunca.”

A gerente logo se pôs a trabalhar em uma segunda etapa do “Great Place to Work”, detalhando cada uma das práticas da empresa para, então, entrar no ranking oficial da entidade, que é publicado em revistas especializadas de renome.

Empresa tem turnover médio de apenas 2%
Gerente administrativa da Poker, Cibele Salazar avalia que as iniciativas da empresa estão rendendo muito mais do que o certificado. Colaboradores felizes e com boa relação refletem nos resultados da organização. “Apesar da crise econômica no país, a gente vem conseguindo cumprir todas as nossas metas. No ano passado, nossa meta era duplicar o nosso faturamento e nós conseguimos”, destaca.

Todas essas conquistas são devidamente comemoradas entre a equipe. Outro reflexo do cuidado com os funcionários está no baixo turnover da empresa, a rotatividade de colaboradores, que está na média de apenas 2%. “É uma manutenção grande de colaboradores, o que é ótimo, já que o conhecimento fica todo aqui”, ressalta a gerente.

Deixe seu comentário