Alubar iniciou operação no Município focada em reforçar a produção para o mercado brasileiro e já vislumbrando o Uruguai, a Argentina e o Paraguai. FOTO: ALUBAR/DIVULGAÇÃO

Com poucos meses de atuação no Município, após a aquisição da fábrica a Fujikura, a Alubar está investindo no incremento de sua capacidade produtiva. Está para concluir a instalação de três novas máquinas em sua unidade de Montenegro. Com elas, a empresa paraense de produção de cabos elétricos de alumínio vai aumentar a capacidade produtiva da planta em 133%.

A novidade também se reflete em empregos. Foi feita a contratação de mais 18 profissionais para a equipe, que compõem duas novas turmas operacionais. A unidade iniciou operações em janeiro e, com isso, já emprega 53 pessoas. “Essa sincronia acontece em todas as plantas da Alubar. Com as expansões industriais, sempre surgem novas oportunidades de contratação e promoção, e assim avançamos”, destaca a gerente geral da unidade, Ana Paula Bittencourt.

Os novos equipamentos são uma linha de trefilação que transforma os vergalhões de alumínio em fios; uma linha de encordoamento tubular, que forma os cabos elétricos; e um limpador de espulas. A instalação deles iniciou ainda em abril, mas acabou interrompida pelas medidas de prevenção a contaminação pelo novo coronavírus. Com isso, foi adiada e deve ser concluída só pelos próximos dias.

A produção, porém, não chegou a ser parada. Por ser fornecedora do setor de energia, a Alubar pôde manter todas as suas unidades funcionando durante o período de isolamento social. “Uma vez que os condutores produzidos pela fábrica levam energia para hospitais, residências, indústrias e demais estabelecimentos essenciais para a vida”, explicou a empresa, em nota. A organização é a maior fabricante de cabos elétricos de alumínio da América Latina.

Deixe seu comentário