Nessa quinta, o prefeito Gustavo Zanatta divulgou um “raio x” da situação em que encontrou o Município ao assumir o Executivo. Em comunicado enviado à imprensa, explicou que pediu que seus secretários fizessem um levantamento completo da estrutura. Nos apontamentos, precariedade em equipamentos e em edificações, como a do próprio Palácio Rio Branco, e também número grande de máquinas precisando de manutenção. Chamam atenção outros pontos.

Na secretaria Geral, há falta de serventes de limpeza e protocolos “sobrecarregados”. Na Procuradoria Geral, computadores e aparelhos de ar-condicionado obsoletos. No Desenvolvimento Rural, falta de controle no acesso a portaria e escritórios; e até mesmo na entrada e saída de materiais como brita, areia e saibro. Também, falta de capacitação técnica e muitos processos pendentes.

A secretaria de Educação e Cultura reiterou a precariedade do Museu Histórico e de sua própria sede no Centro. Já a secretaria de Gestão e Planejamento destacou a demanda por sistema que viabilize o trabalho de geoprocessamento do Município, estando com falta de licenças de software para a equipe de arquitetos; e sem placas de vídeo com capacidade de suportar o sistema existente. A secretaria de Habitação também apontou o sucateamento de veículos; e a de Indústria e Comércio, a situação de abandono no prédio da incubadora empresarial. No Meio Ambiente, o destaque é a falta de pessoal e também a demanda de conserto em equipamentos.

Com os relatórios em mãos, Zanatta diz que definiu ações emergenciais como a compra de peças e equipamentos e a produção de orçamentos para as melhorias. Destaca, especialmente, os problemas de estrutura. “Está claro que há muito tempo não há uma preocupação com a manutenção dos prédios públicos, inclusive os alugados”, expõe.

Deixe seu comentário