Alexandre Santos Vargas utiliza equipamentos de proteção como luvas de borracha e óculos. Fotos: Arquivo pessoal Alexandre

De janeiro a outubro foram 8 acidentes com a rede elétrica, na área de concessão da RGE, sendo duas mortes

Em meio à pandemia e o período de atividades reduzidas, elevou-se o número de obras e reformas tanto residenciais, como em comércios e indústrias. De janeiro a outubro foram 8 acidentes com a rede elétrica, na área de concessão da RGE. Destes, dois resultaram em mortes. Os erros de profissionais e de cidadãos comuns são os maiores causadores dos acidentes. Isso pela falta de planejamento e atenção com equipamentos de proteção individual e coletiva.

“Infelizmente, alguns profissionais acabam não seguindo as orientações ou não procurando informações sobre segurança, antes de realizar seus serviços”, explica Marcos Victor Lopes, gerente de Saúde e Segurança do Trabalho da CPFL Energia. A RGE promove a campanha Guardião da Vida realizando treinamentos, palestras, distribuição de material informativo, informativos na conta de energia e no site do projeto (https://guardiaodavida.com.br/). O objetivo é conscientizar as pessoas do uso seguro da eletricidade.

Sidnei já tomou choque pintando portão. Foto: Arquivo pessoal Sidnei

O montenegrino Alexandre Santos Vargas, 34 anos, é eletricista e técnico de instalação em ar-condicionado. Já trabalha neste ramo há oito anos. “Já tive uma experiência onde a instalação elétrica do local não tinha aterramento e eu acabei tomando um choque”, aponta. Com base em sua experiência explica sobre alguns cuidados que devem ser tomados. “Para uma instalação elétrica ficar boa, sem perigo nenhum, ela tem que ter um aterramento. E antes de qualquer manutenção tem que desligar os disjuntores, para não correr riscos, sinaliza. Enfatiza também a importância da utilização de luvas isolantes de borracha, para proteção em caso de haver uma descarga.

Alexandre é eletricista e técnico de instalação em ar-condicionado

Sidnei Flôres de Lima, 55 anos, trabalha na área de construção civil como pintor há cinco anos. “Em determinada ocasião fui pintar um teto de gesso e tomei um choque com um fio desencapado”, pontua. Ele relata que geralmente há situações inesperadas. “Na pintura de portão eletrônico também já fui surpreendido com uma descarga elétrica, pois às vezes tem fiação exposta”, completa Sidnei.

Dez dicas para evitar riscos de choque elétrico
1- Ao manusear vergalhões e barras de aço, arames, réguas de alumínio, canos e outros materiais metálicos, tome cuidado para que estes materiais não toquem nos fios da rede elétrica;
2- Ao construir ou reformar lajes e telhados, preste atenção à rede elétrica em volta da sua obra e mantenha sempre uma distância segura;
3- Andaimes devem ser instalados a uma distância segura da rede de eletricidade, principalmente quando for pintar ou instalar painéis e luminosos em fachadas;
4- Avise a distribuidora de energia sobre o trabalho em fachadas (pintura, instalação de painéis), antes de iniciar a atividade. Pode ser necessário desligar a rede para a instalação;
5- Nunca faça a ligação direta do painel luminoso com a rede elétrica. O risco de choque elétrico é altíssimo;
6- Nunca faça ligações clandestinas. Além de perigosas, são ilegais. Se o local não tiver energia elétrica, solicite a ligação à concessionária;
7- Os pintores devem tomar cuidado com a rede de eletricidade quando forem pintar fachadas, o cabo extensor de pintura tem que ficar bem longe da rede elétrica;
8- Instale antenas longe da rede elétrica e somente o faça com tempo seco;
9- Calcule uma distância segura para que, em caso de queda, a antena não toque nos fios elétricos;
10- Se a antena cair na rede elétrica, não tente segurar ou recuperar. Acione a distribuidora de energia responsável imediatamente.

Deixe seu comentário