A senadora destacou a falta de planejamento dos governos e investimentos em obras inacabadas

Ana Amélia Lemos participou da Reunião-almoço da ACI e falou sobre o cenário político e econômico no Brasil

A senadora Ana Amélia Lemos, do Progressistas, esteve em Montenegro durante mais uma edição da Reunião-almoço, realizada pelo Programa Oportunidades para Crescer (POC), da Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Montenegro e Pareci Novo. O encontro com empresários e políticos da região ocorreu no Clube Riograndense, nessa quinta-feira, 26. Durante sua palestra, Ana Amélia falou sobre a Operação Lava Jato, corrupção, ética e a importância do voto.

O PP definirá dará apoio a Bolsonaro no dia quatro de agosto

Para dar início à palestra, o presidente da ACI, Karl Heinz Kindel lançou uma pergunta à parlamentar. “Senadora, qual a solução para o Brasil?”. Para ela, a resposta está ligada ao fim das barreiras e preconceitos existentes em questões que envolvem a ligação do poder público com os empreendedores. “Setor público e privado, juntos, usando a criatividade, geram oportunidades muito maiores”, defende.

Ana falou também sobre a falta de organização dos governos. Como exemplo, citou a duplicação da BR-116, no trecho de Guaíba até Pelotas, e a construção da nova ponte do rio Guaíba, projetos iniciados quando o Estado já apresentava dificuldades financeiras. “O problema do Brasil é a falta de prioridades. Obras caras são iniciadas e ficam inacabadas, isso mostra que a política é incoerente”, avalia.

Contudo, ela acredita que o Brasil passa por uma fase de importantes mudanças, conduzidas pela Operação Lava Jato. “O Brasil, que era conhecido como o país dos corruptos, já começou a ser visto de uma outra forma lá fora. A Lava Jato veio para dar uma referência às nossas instituições”, comentou, ressaltando os aspectos positivos disso.

O cenário nacional está confuso, mas, ainda assim, existe a possibilidade de mudanças, crê a senadora. “Eu faço um apelo: na democracia, a única maneira que se tem para mudar as coisas é pelo voto. Você pode se arrepender em quem votou, mas não pode abrir mão desse direito”, ressaltou.

Ana Amélia prevê renovação indireta no Senado Federal
Com a candidatura de vários senadores a cargos de governo de Estado e as dificuldades enfrentadas pelas mulheres para dar andamento a suas campanhas, Ana Amélia acredita que esta será uma eleição de renovação no Senado Federal. “Nas composições regionais, as mulheres estão sendo rifadas. Elas foram desconsideradas como mulheres. Falta respeito por parte das cúpulas partidárias. Não fosse o fundo partidário, nós não teríamos condições de financiar as campanhas”.

Ainda ligado a participação das mulheres no cenário político, a senadora falou sobre o possível apoio do PP do Estado ao pré-candidato da República Jair Bolsonaro. “O Partido Progressista ainda não fez a convenção no Estado para tomar essa decisão, embora eu respeite a decisão tomada pelo pré-candidato ao Governo do Estado, deputado Luís Carlos Heinze, que é favorável a apoiar o pré-candidato Bolsonaro”. A convenção estadual do partido será realizada no dia 4 de agosto em Porto Alegre. Sobre o que chamou de “frases pesadas” de Bolsonaro, como a de que a mulher é fruto de “uma fraquejada”, a senadora disse que é preciso analisá-las sem alarde.

Após o diretório nacional progressista anunciar apoio a Geraldo Alckimin, Ana Amélia afirma que já deu para perceber que se terá uma grande “salada de frutas” nessas eleições.

Deixe seu comentário