CÂMARA contou com a presença da população em geral e com representantes de entidades do município

Evento integrou a agenda de programação da II Semana da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla no município

Eliminar barreiras e construir uma sociedade mais acessível e inclusiva para todos. Esse foi o fio condutor do Seminário “Acessibilidade e inclusão”, realizado na última sexta-feira, 24. Com a participação de autoridades e representantes de diversas entidades municipais, o evento possibilitou uma tarde de debate sobre a criação de políticas públicas mais efetivas para pessoas com deficiência.

A atividade, realizada na Câmara de Vereadores, encerrou uma série de ações desenvolvidas no município em alusão a II Semana da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla. O presidente do Conselho Municipal dos Direitos das Pessoas com Deficiência de Montenegro (Comdped), Valdair da Rosa Silva, comenta que esse diálogo com a comunidade está sendo construído há algum tempo. “Nós estamos trabalhando esse tema desde o ano passado, buscando a aproximação do conselho com a população e ressaltando a importância desse debate”, disse o presidente.

Na cerimônia de abertura, o prefeito Carlos Eduardo Müller (Kadu), destacou que, quando se trata de acessibilidade, é importante uma conscientização coletiva sobre o assunto. “Esse tema diz respeito a todos os montenegrinos, dessa forma, é preciso que criemos juntos, uma consciência sobre as necessidades de toda a população, sem excluir ninguém”, disse Kadu.

Na avaliação do presidente da Comdped, apesar da forma tímida, nos últimos anos a discussão teve avanços significativos, principalmente no que diz respeito ao engajamento da população com deficiência. “Aos poucos, noto que essa parcela da população vem buscando espaço, seja no mercado de trabalho ou na educação”, comemora Valdair. “Nós trabalhamos com a perspectiva de que, em um futuro não muito distante, a questão da acessibilidade e inclusão não precise ser tratada exclusivamente em uma semana ou em um seminário, mas que esteja inserida na comunidade como uma responsabilidade de todos”.

Responsável por conduzir o seminário, o pesquisador de políticas públicas para pessoas com deficiência, Jorge Amado de Souza Borges, explica que esse é um tema que sempre gera grandes debates por conta do preconceito histórico que o segmento sofre. Segundo ele, no Rio Grande do Sul existem mais de 2 milhões de pessoas com deficiência.

“A ideia central de tudo isso é garantir a acessibilidade, que nada mais é do que eliminar barreiras e permitir igualdade de oportunidades a todos”, aponta o pesquisador. “Nesse sentido, tenho defendido que acessibilidade é liberdade”.

Atento ao debate, o estudante da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae) Ivan Macerdo, 40, disse que sempre participa das atividades realizadas na Câmara. “Eu gosto de participar, sempre venho”, salienta.

Com Síndrome de Down, ele afirma que leva uma vida normal e conta um pouco sobre sua rotina. “Eu faço várias coisas durante o dia, mas quando acordo, sempre arrumo minha cama e a do meu pai, depois vamos no mercado, a tarde venho na Apae e à noite vou na igreja”, revela Ivan.

Pedagogia da acessibilidade
Ao defender que acessibilidade é liberdade, o pesquisador Jorge Amado de Souza Borges vai além e também destaca o lugar de fala e protagonismo de cada pessoa enquanto cidadão. “Essa é a ideia de reconhecer a importância do outro”, disse. “Alguém que não tenha deficiência, como eu, pode falar, escrever ou pesquisar sobre, mas em nenhum momento conseguirá expressar o que sente um deficiente”.

O pesquisador Jorge Amado de Souza Borges ressalta a importância
do protagonismo das pessoas com deficiência para abordar o tema

Tendências, desafios e oportunidades
Após as explanações sobre as tendências e desafios presentes tanto no meio acadêmico quanto no país de modo geral, na segunda parte do seminário foi realizada uma mesa redonda com representantes das Secretarias Municipais de Obras e Educação, do departamento municipal de Trânsito e da Associação Comercial, Indústria e de Serviços (ACI).

Estudante da Apae, Ivan Macedo participou do evento na Câmara

“Esse momento é para que eles possam expor e trazer frente a comunidade o que essas entidades estão fazendo e o que ainda pode ser feito. A partir de então, pensarmos juntos possibilidades de melhorias para a questão da acessibilidade em Montenegro”, conta Cristiane Sastre, integrante da Comdped.

Também em referência à Semana da Pessoa com Deficiência, nessa segunda-feira, 27, acontece o Dia de Atendimento Preferencial do FGTAS/ Sine.
Marcada para acontecer na última sexta-feira, 24, a atividade foi adiada para esta segunda-feira, 27, em todo o Estado. Devido a forte chuva que atingiu diversas regiões do Rio Grande do Sul na madrugada, muitas agências ficaram sem e luz e internet.

A ação tem por objetivo promover e ampliar a inclusão do público com deficiência e reabilitados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) no mundo do trabalho, através da intermediação de candidatos e oferta de vagas de emprego. De acordo com o agente do FGTAS/Sine de Montenegro Nelson Luiz Timm, foi feito contato com diversas empresas do município com o intuito de buscar mais oportunidades para o público da Semana da Pessoa com Deficiência Intelectual e Múltipla. “Não conseguimos muitas coisas, mas o que temos estamos passando para a comunidade”, disse o agente.

Os candidatos interessados nas vagas disponíveis serão cadastrados no sistema do Ministério do Trabalho e aqueles com perfil profissional compatível com as vagas abertas receberão carta de encaminhamento para participarem de entrevista.

No FGTAS/Sine de Montenegro, na rua Ramiro Barcelos, 1640, bairro Centro, o atendimento ocorre das 8h às 16h.

Saiba Mais

Além da agência de Montenegro, muitas outras participam como Feliz, Nova Santa Rita, Novo Hamburgo, Porto Alegre, São Leopoldo e Triunfo, entre outras.
Os endereços e horários de funcionamento das Agências estão disponíveis no site:http://www.fgtas.rs.gov.br/agencias-fgtas-sine.

Deixe seu comentário