Recentes vendavais têm aumentado a preocupação da comunidade com a segurança de seus patrimônios. FOTO: ARQUIVO/JORNAL IBIÁ

A grande incidência de vendavais na região nos últimos anos tem impulsionado a procura por um serviço antigo, mas ainda não tão conhecido pelo grande público: o seguro residencial. De acordo com o corretor Carlos Giovelli, de 2014 para cá, sua empresa teve cerca de 80 segurados acionando o serviço após temporais. E essa garantia de proteção contra os fenômenos naturais é bem mais em conta do que se imagina.

Carlos Giovelli, corretor de seguros

“É algo barato e que protege”, resume Giovelli, com vinte anos de atuação no ramo. O seguro residencial pode ser contratado para cobrir incêndios, vendavais, granizo, roubos, desmoronamentos e até danos elétricos. Se houver uma sobrecarga de energia que queime eletrodomésticos da casa, por exemplo, haverá a indenização.

Existe ainda a comodidade da contratação de serviços emergenciais que podem ser acionados dentro do ano de contratação do seguro. Nos pacotes mais básicos, há a assistência 24 horas de prestadores para o caso de rompimento de canos, problemas elétricos, limpeza de calhas e caixa d´’água, dentre outros. Em contratos mais elaborados, pode ser previsto o corte de grama e até a estadia de animais de estimação em hotéis durante viagens dos donos.

Danos elétricos também podem ter cobertura

Como corretor, Giovelli trabalha com 14 das principais seguradoras do mercado. Ele explica que, no caso de apartamentos, com um pacote de serviços básico, o seguro custa, em média, R$ 180,00 no ano. O valor inclui o seguro de R$ 100 mil para incêndio, R$ 20 mil para vendaval e R$ 5 mil para danos elétricos. O mesmo pacote para casa de alvenaria gira em torno dos R$ 297,00. Casas de madeira têm custo maior, chegando nos R$ 632,00 por apresentarem mais risco de perdas em caso de incêndio.

Em relação à franquia – valor a ser desembolsado pelo segurado ao acionar o seguro – o custo em caso de vendaval ou dano elétrico varia de R$ 150,00 a R$ 350,00. O seguro contra incêndio não cobra nenhuma taxa.

O profissional destaca ter observado que, na procura pelo serviço, o perfil principal do cliente atual é de casais, na faixa dos 35 aos 40 anos de idade, que já têm família e um patrimônio estável. “A pessoa contrata pela segurança em proteger esse patrimônio e pela tranquilidade oferecida”, avalia. Os pacotes de cobertura e de assistência extra disponíveis no mercado são flexíveis, de acordo com a necessidade do cliente.

Deixe seu comentário