Jardelino mostra até qual ponto a água das chuvas costuma chegar

Moradores anseiam por melhorias há 30 anos

Há 30 anos os moradores da rua Vereador João Vicente, no bairro Centenário, esperam por alguma solução para um problema complicado e insistente: os alagamentos. No dia 27 de janeiro, alguns dos moradores se encontraram com representantes da Administração Municipal para debater o assunto e buscar ajuda. Passado alguns meses da reunião, a comunidade não teve retorno e a esperança já é quase inexistente. Jardelino Alves Vieira, um dos moradores que esteve na reunião, explica que o os alagamentos são frequentes e incomodativos. Ele precisou fazer uma espécie de degrau em frente à casa para conter a água, mas nem isso cessa o problema. “Basta uma chuva um pouco volumosa de uns 20 minutos que já é o suficiente para entrar água no pátio e também dentro da casa. Já perdi pelo menos três móveis só com alagamento”, desabafa.

José Carlos Ferreira é outro morador que esteve em contato com a Prefeitura no início do ano. Ele explica que a preocupação dos moradores é constante e que várias questões estão envolvidas. “Moro na rua há 16 anos e durante todo esse tempo tivemos problema com isso. Sempre fui atrás para tentar resolver, mas até agora, a gente só espera”, lamenta. Ele relembra que em dia de chuva, crianças passam trabalho para chegar à escola do bairro. “Eu já presenciei momentos que as crianças tinham que chegar já tirando calçados e erguendo calças até o joelho pra não molhar. Já vi também um carro passando pela rua e, em função do alagamento, dar um banho em outra criança”, afirma.

Desacreditado, José lembra que em dia de chuva, quem não tem garagem em casa já decorou o que fazer. “É só ver como está o tempo, se vai chover, já pegam o carro para estacionar na rua de cima”, conta. A situação gera sentimento de descaso na comunidade. “Imposto continua vindo, né?”. Mas, não para por aí. O morador reclama ainda de toda a sujeira trazida que acaba se acumulando em frente às casas.

Marili Diaz Fernandez é moradora da esquina da rua, mas também muito já sofreu com os alagamentos. Não foi só Jardelino que passou trabalho com a água entrando em sua residência. “Eu já tive que passar dois dias dentro de casa de bota dentro da água”, lamenta.

Ela relembra que no ano passado, houve limpeza nos esgotos e o problema foi, pelo menos temporariamente, resolvido. “Eu acho que se continuar com o esgoto limpo, aqui em casa não dá problema, mas se der, vou atrás da Prefeitura sim”, destaca.

Casa de Marili é mais baixa do que a de Jardelino, mas a moradora
explica que o maior problema de alagamentos não é na esquina onde mora

O que diz a Prefeitura
De acordo com o engenheiro Daniel Vargas de Oliveira, da Secretaria Municipal de Gestão e Planejamento, o fim dos alagamentos na rua exige a construção de uma nova rede de canos para o escoamento da água. No momento, está sendo realizado o levantamento topográfico e a execução deve ser entregue à uma empresa terceirizada, contratada pela Prefeitura justamente para este tipo de serviço. Ainda segundo o engenheiro, não há como divulgar a data de início das obras, mas a execução será concluída no segundo semestre. “É uma obra de porte e decidimos por uma solução definitiva, ao invés de lançar mão de paliativos que logo se mostram ineficientes”, esclarece.

Deixe seu comentário