Problema é verificado no sentido Capela-Montenegro, no lado direito da ponte

As obras de recuperação do pavimento asfáltico na ERS-240 terão continuidade nesta semana em toda a extensão da estrada, desde o quilômetro zero, na Vila Scharlau, São Leopoldo, até o quilômetro 34, em Montenegro, que fica na intersecção da 240 com a RSC-287, a BR-470 e a rua Buarque de Macedo. A Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR), responsável pelos trabalhos, alerta aos condutores que haverá estreitamentos de pista, mas não informa precisamente em quais os pontos.

Na última sexta-feira, equipes da Sultepa — empresa contratada para executar as melhorias — estavam na altura de Capela de Santana, entre os quilômetros 23 e 24. Máquinas e operários retiravam a camada superficial de asfalto para a colocação de um novo revestimento. Havia bloqueios parciais, mas com demoras inferiores a 10 minutos, que devem repetir-se nesta semana. Para o Grupo de Montenegro do Comando Rodoviário da Brigada Militar (CRBM), o investimento vai repercutir em maior segurança aos usuários da 240.

Proteção contra quedas está em mau estado, o que eleva os riscos

Além do contrato de restauro com a Sultepa, no valor de R$ 6,2 milhões, a EGR mantém contrato com a empresa MG Serviços Rodoviários para as tarefas de conservação rotineiras, mantendo em dia a sinalização, o corte do mato na margem da rodovia e limpezas. Nem tudo, porém, fica a contento dos usuários. Uma roçada em abril no entorno da ponte sobre o Rio Caí revelou uma “armadilha” para quem passa pelo local, no sentido Capela de Santana-Montenegro. É que as defensas metálicas estão em mau estado e, na hipótese de alguém perder o controle no local, essas proteções não serão suficientemente capazes de evitar uma queda fatal no rio. A sensação de risco aumentou depois que as árvores na beira da ponte foram retiradas em ação de limpeza e roçada.

O perigo na ponte do Caí remonta ao caso registrado na última sexta-feira, em Sapucaia do Sul, quando um utilitário Kia Sorento desabou do viaduto que liga a BR-448 com a ERS-118 e caiu sobre a BR-116, matando o condutor, Ubirajara Quintana Ribeiro, 63 anos. Neste caso, as muretas de concreto não bastaram para conter o veículo, que poderia ter levado a um segundo acidente logo após ter caído na 116.

Deixe seu comentário