Simplificação. Mudanças foram feitas para unificar a grafia nos países que têm o português como língua oficial

Assinado no ano de 1990, o Acordo Ortográfico foi protocolado com a intenção de fazer com que o português tivesse uma só grafia em todos os países que usam a nossa língua. Apesar de ter sido assinado há 29 anos, o Acordo demorou 19 anos para entrar em vigor no Brasil. O período de transição teve início em 1º de janeiro de 2009 e encerrou-se em 31 de dezembro de 2015.

A partir do primeiro dia de 2016, as regras do Acordo Ortográfico passaram a ser obrigatórias no País. A principal causa da demora de quase 20 nos para a entrada do Acordo se deu por algumas modificações que sofreu nos anos posteriores e pela necessidade de aprovação pelos parlamentos dos países em que o português é a língua oficial, como Brasil, Portugal, Cabo Verde, Angola e Moçambique. Os trâmites legislativos, as resistências às mudanças, principalmente em Portugal, e a não priorização desse tema pelo Congresso Brasileiro também foram motivos para atrasar a ratificação do Acordo em quase duas décadas.

Professor Doutor Artur Jacobus esclarece dúvidas sobre o Acordo. Foto: reprodução Lattes

Segundo o Professor Doutor Artur Jacobus, uma das principais mudanças no Brasil foi o fim do uso da trema, além uma significativa simplificação das regras de uso do hífen. “Outra mudança que impacta o uso cotidiano do português é a eliminação do acento em palavras como ‘ideia’”, aponta.

“Percebo que já houve uma boa assimilação das novas regras, mas persiste alguma dificuldade em palavras como ‘voo’ e ‘leem’, que muita gente ainda sente vontade de acentuar”, explica o professor.

Jacobus ainda pontua que, em sua opinião, o Acordo não conseguiu cumprir seu propósito plenamente, apesar da boa intenção. “Antes do acordo, havia 4% das palavras que recebiam grafias distintas entre os países que usam o português. Agora, persistem 2% de palavras com diferenças. O ideal seria ter feito um acordo que unificasse definitivamente a ortografia do português, como acontece com a língua espanhola. De qualquer forma, houve um avanço na direção da simplificação de regras e da unificação, o que é bem-vindo”, esclarece.

Deixe seu comentário