Ezequiel Souza, Tarcísio Zimmermann, Elvino José Bohn Gass e o prefeito Carlos Eduardo Müller durante a visita ao terreno

A possibilidade de Montenegro deixar de contar com uma sede da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (Uergs) é algo que preocupa. Por isso, na tarde de ontem, 30, um terreno localizado no cruzamento das ruas Simões Lopes Neto com Vereador João Vicente foi apresentado como alternativa. A área com 5.674m², que é do Município, poderá ser cedida para a construção da nova sede da Uergs. O desafio são os recursos para a construção do prédio.

O motivo da possível saída é justamente o financeiro. Atualmente, são pagos mais de R$45 mil mensais à Fundação Municipal de Artes (Fundarte) para que os cerca de 420 alunos dos cursos de licenciatura em Artes Visuais, Dança, Música e Teatro utilizem espaço e equipamentos. O prefeito Carlos Eduardo Müller, o Kadu, destacou a importância da unidade para Montenegro. “Me coloco inteiramente a disposição para estabelecermos uma parceria. Queremos manter a Uergs em Montenegro”, disse. Ele destacou, porém, que a construção do prédio é algo que caberá à instituição.

Estavam presentes na visita ao terreno o deputado estadual Tarcísio Zimmermann (PT) e o deputado federal Elvino José Bohn Gass (PT). Os parlamentares destacaram a necessidade de agora haver uma mobilização para conquistar emendas que financiem ou auxiliem na construção da sede.

“Vamos apresentar à bancada essa demanda e tentar levantar recursos”, destacou Bohn Gass. “É hora de construir parcerias e mobilizar recursos para tornar possível a sede”, disse Zimmermann, que já esteve anteriormente conversando com professores e alunos da Uergs no intuito de levantar as necessidades mais urgentes.
Também estavam presentes a professora da Uergs Sílvia da Silva Lopes e o diretor da Fundarte André Luís Wagner.

AJ Renner é possibilidade
O diretor da escola Estadual A J Renner manifestou a possibilidade da Uergs, enquanto não tiver a sede própria, utilizar a escola. “Já há conversas superficiais e o tema será levado ao Conselho Escolar”, diz Fernando Petry. A oferta, porém, não soluciona o problema porque a maior demanda da Uergs é para o ensino noturno, quando a escola tem menos salas ociosas a oferecer.

Audiência Pública
Integrante da assessoria de Tarcísio Zimmermann e aluno da Uergs, Ezequiel Souza lembra que a oferta desse terreno é uma resposta da Administração Municipal à mobilização que gerou uma Audiência Pública em agosto passado. “Lá o prefeito se comprometeu a avaliar um espaço”, diz.

Ele avalia como positiva a escolha de um local cercado por escolas – uma municipal e uma estadual – além de próximo do Parque Centenário e junto à RSC-287, o que facilita o acesso dos estudantes. Ao lado do lote destinado à Uergs, está em construção, ainda, uma escola de educação infantil municipal. “Dá pra dizer que é um polo de educação”, finaliza Ezequiel.

Deixe seu comentário