Lideranças do Estado se reuniram com o ministro dos Transportes, em Brasília, e apresentaram uma série de reivindicações Foto: Caco Argemi/ALRS

Conquista. Reunião não estava prevista, mas lideranças se mobilizaram em Brasília e o governo cedeu à pressão

Surtiu efeito o ofício encaminhado pelo vereador Cristiano Von Rosenthal Braatz (PMDB), com apoio do deputado federal Alceu Moreira, do mesmo partido, à Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), no início de março. Nesta quinta-feira, a assessoria do deputado confirmou que o governo federal vai fazer mais duas audiências públicas para debater com a comunidade o Programa de Exploração da Rodovia, que prevê a construção de quatro praças de pedágio na BR-386 — uma delas em Montenegro.
Conforme a assessoria de Moreira, a reunião será realizada na próxima quarta-feira, dia 22, no Clube Riograndense. Até ontem, o horário não havia sido definido. Outro município que lutou — e conseguiu — uma audiência pública foi São João do Sul, no sul de Santa Catarina, cortado pela BR-101. Em recente entrevista ao Ibiá, Braatz se disse preocupado com o aumento dos custos para as empresas da região, além do impacto da tarifa no dia a dia da comunidade.

Nesta sexta-feira, o debate ocorre em Soledade. Ontem foi a vez de Lajeado sediar a audiência pública, na Univates. As explanações e questionamentos iniciaram à tarde e avançaram pela noite. Até o fechamento desta edição não haviam sido estabelecidos os encaminhamentos da mesa.

Ao longo das últimas semanas, o programa tem sido muito questionado. As principais reclamações giram em torno do valor das tarifas e da demora para o início da duplicação, que estava prevista só para o 11º ano de concessão. Entretanto, com pressão política, o governo recuou esta semana. Em reunião com lideranças gaúchas em Brasília, o ministro dos Transportes, Maurício Quintell, aceitou a sugestão de estudar a proposta para revisar os cálculos das tarifas e se comprometeu a apresentar, nos próximos dias, os detalhes do plano de concessão que tratam das reivindicações do Estado.

 

Compartilhar

Deixe seu comentário