Recadastramento não é obrigatório, mas a comunidade já pode procurar o cartório de Montenegro para atualizar o título de eleitor

Em Montenegro, pouco mais de 15 mil dos mais de 43 mil eleitores alistados já realizaram o recadastramento biométrico. Dos sete municípios que compõem a 31ª zona eleitoral, apenas em Montenegro o recadastramento biométrico do título de eleitor não é obrigatório, mas, mesmo assim, a Justiça Eleitoral orienta que a população procure o cartório para atualizar o documento. Dessa forma, no próximo pleito já estarão habilitados ao exercício do voto a partir das impressões digitais.

O chefe do Cartório Eleitoral de Montenegro, Diego Bonato Coitinho, recomenda que a comunidade procure o local o quanto antes para evitar as longas filas, que são comuns no prazo final. “Os eleitores perdem horas para realizar um procedimento que dura, em média, 10 minutos”, destaca.

O recadastramento foi instituído para evitar fraudes, dar mais agilidade e segurança na hora de votar. “O Cartório coleta as digitais que depois são encaminhadas ao TSE para o cruzamento de informações. Já pegaram, por exemplo, uma pessoa com 50 títulos de eleitor, vários documentos de identidade e CPF, o que geravam diversas fraudes e com esse cruzamento de dados se evita isso”, defende.

Para fazer o recadastramento biométrico é necessário ter 16 anos completos; apresentar o título de eleitor; documento de identidade; CPF; comprovante de alistamento militar ou certificado de dispensa de incorporação (item obrigatório somente para os homens nascidos em 1999 ou em anos anteriores, que farão o primeiro título) e comprovante de residência no próprio nome, mas emitido há, no máximo, três meses.

Quem fez o primeiro título depois de maio de 2013 não precisa fazer o procedimento, porque, na época, os documentos já eram feitos no sistema biométrico. Os demais eleitores devem fazer o recadastramento.

Deixe seu comentário