De acordo com a organização do evento, cerca de 350 pessoas participaram do evento no Pavilhão da Comunidade Católica (em frente à Igreja)

evento anual realizado pelo Apostolado da Oração da Capela Três Reis Magos teve grande variedade de doces e salgados

Com a participação de cerca de 350 pessoas, ocorreu mais uma edição do Tradicional Café Colonial, do Apostolado da Oração da Capela Três Reis Magos, em Santos Reis. Mesmo com o tempo nublado e temperaturas amenas, na tarde deste sábado, 7, diversas famílias participam do evento que já faz parte da programação de diferentes comunidades em Montenegro.

Reunir e celebrar. Esses são alguns dos objetivos do Café, segundo Salete Alflen, umas das coordenadoras do evento, realizado no Pavilhão da Comunidade Católica. “Além de angariar recursos para a manutenção da nossa Igreja, buscamos unir as famílias, os amigos, diferentes localidades e, principalmente, aproximar os jovens das nossas atividades”, destaca a coordenadora, que está à frente do evento há seis anos. Além de um cardápio farto com mais de trinta opções de petiscos doces e salgados, o evento ofereceu diversas atrações aos participantes, como um brechó, sorteios e rifas.

As amigas Vilma Neli Lorenz e Christina Machado, foram umas das primeiras organizadoras do Café Colonial da comunidade, ainda na década de 1990

“Toda casa precisa de reparos, e com a casa do povo [igreja] não seria diferente, por isso, tudo é feito pela e para a comunidade”, explicou Salete. “Esse é um momento em que todas as famílias se divertem, trazem os filhos, netos e amigos”, acrescentou.

Entre o público, estavam as amigas Christina Machado, 78, e Vilma Neli Lorenz, 82. Juntas, elas foram responsáveis pela realização de vários cafés em Santos Reis, um passado do qual se orgulham. “Hoje não ajudamos mais a organizar, mas sempre participamos com as nossas famílias”, disse Christina, acrescentando que esse é um trabalho que vai passando de geração para geração dentro da igreja.

“Como eu era zeladora do apostolado, sempre estava envolvida com questões relacionadas à igreja, e foi a partir de 1994 que comecei a ajudar a construir o Café. Hoje, participo sempre que posso porque gosto de encontrar as amigas e os conhecidos aqui”, revelou Vilma. “Sem contar que o café é muito gostoso”, comentou a aposentada, destacando o bolo como a melhor parte.

Compartilhar

Deixe seu comentário