Mesmo com a colocação da brita, terreno ontem continuava instável

O ônibus escolar que atende a comunidade do Calafate atolou na manhã de ontem, 26, na localidade de Vendinha (perto da pedreira). A situação denunciada pela moradora Indiani Augustin teria ocorrido após manutenção realizada pela Prefeitura de Montenegro, na terça-feira. A moto-niveladora passou, mas não foi largado material na via, que com a chuva se tornou um atoleiro. Ainda na manhã da quarta-feira uma equipe da Secretaria de Desenvolvimento Rural foi ao local.

O diretor de Departamento de Manutenção e Construção de Estradas, José Carlos de Àvila, informou à reportagem que, além de desatolar o veículo, foi depositada brita para aumentar a aderência. Ele salientou que após intempéries é normal criar barro. O trabalho no Calafate fica parado até que o tempo melhore.

Àvila explicou que o ônibus patinou e não subia a ladeira, e quando desceu de ré, dando passagem para um caminhão, acabou entrando na vala. Segundo Indiani, a largura da via também foi reduzida com a terra acumulada nas laterais. Os estudantes precisaram seguir a pé, enquanto a via ficou parcialmente bloqueada.

O problema das estradas do interior é justificado pelo Executivo pela falta de maquinário e de saibreiras autorizadas para extração. Mas, ao menos há um mês, o Município está recebendo este material como doação de uma pedreira no bairro Senai, que o descarta na retirada de material mais nobre.
Há, ainda, pedidos para liberação de extração em outros locais, que tramitam em Brasília.

Deixe seu comentário