Dia de Campo apresentou experiência do cultivo do triticale na propriedade da família Schu, em Bom Jardim

Evento da Emater aconteceu na propriedade da família Schu, em Bom Jardim

A propriedade da família Schu, em Bom Jardim, interior de Montenegro, recebeu na última sexta-feira, 8, o Dia de Campo, organizado pela Emater-RS. O principal tema em debate foi a cultura do triticale, uma mistura de trigo e centeio, para a produção de silagem. A cultura foi apresentada aos produtores como alternativa para a produção de silagem no período do Inverno, quando não é possível produzir milho e outras plantas que tradicionalmente são usados na região para a produção do alimento para o gado.

Durante o evento, os técnicos da Emater apresentaram a experiência que foi desenvolvida na propriedade da família Schu. O agricultor anfitrião, Paulo Schu, conta que a família já trabalhava com a produção de leite, mas a ideia de plantar o triticale surgiu após a filha vencer um concurso da Emater, no qual foi contemplada com as sementes para cultivar o cereal. “Ela ganhou cento e poucos quilos de semente e a Emater deu suporte pra plantar. Eu já trabalhava com silagem de milho e sorgo, mas foi a primeira vez que eu plantei o triticale. O diferencial é que é uma silagem que dá no Inverno, então se der certo pretende aumentar a lavoura no próximo ano”, destaca o agricultor.

Agricultores também tiveram orientações sobre como combater a cigarrinha do milho

Técnico da Emater, Valmir Michels foi o responsável por apresentar aos agricultores o resultado da experiência da cultura do triticale na região. “O triticale que é fruto do cruzamento do trigo com o centeio, então, nós temos uma planta mais rústica, porém produtiva que nem o trigo e é uma excelente possibilidade de produção de grãos e silagem de Inverno”, explica Michels.

A ideia de trazer o tema para o Dia de Campo deste ano surgiu durante live técnica realizada pala Emater-RS sobre a silagem de Inverno, em maio. “A partir daí surgiu a ideia e a disponibilização dessas sementes para a gente montar na região essas unidades experimentais. A região, e em especial Montenegro, não tem uma tradição na cultura do trigo e do triticale. Mas nós observamos que ela se comportou muito bem aqui na realidade do produtor”, afirma o técnico da Emater.

A ideia é que agora com essa nova alternativa apresentada aos agricultores da região o cultivo do triticale ganhe espaço nas propriedades leiteiras e de bovinos de corte para suprir as necessidades durante o Inverno. “Observando a unidade que nós acompanhamos desde o início do plantio, vimos a viabilidade dessa cultura pra Montenegro e pra região como um todo”, aponta Michels.

Deixe seu comentário