Dahmer folheia sua edição histórica com reportagens de Campo do Meio e seu artigo publicado como presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Montenegro

Leitor fiel do Ibiá, Nélvio guarda as informações relevantes do campo e cidade

Sentar de manhã cedo na varanda de sua casa branca e ler o Ibiá é um hábito para o agricultor Nélvio Nelson Dahmer, de 76 anos. Um dos primeiros assinantes do jornal, o morador de Campo do Meio costuma guardar as edições por algum tempo e mesmo arquivá-las quando têm reportagens que considera relevantes. “São coisas de época que me interessam. Então vou guardando”, comenta, ao mostrar a edição 185, que circulou em 22 de julho de 1987, o quinto ano do Ibiá.

Suplemento Rural de 22 de julho de 1987 destacou Campo do Meio e a Comunidade Luterana

Para chegar à residência, é preciso cruzar cerca de 200 metros de campo, passando por um “mata burro” (pontilhão feito de traves de madeira que impossibilita os animas de passarem) e uma ponte sobre um córrego. Tudo com o carro rodando em apenas duas trilhas para os pneus, na terra preta e entre bois. “Na época, alemão construía longe da estrada”, comenta. O idoso conta que seu lar é herança do avô, Leopoldo Mathias Dahmer, após ser morada para seu pai, Armando Dahmer.

Crise do Hospital Montenegro
já era notícia no Ibiá em 2002

“Essa casa deve ter seus 100 aninhos”, calcula, sem ter certeza. Depois de falar do paredão de pedra encostado nos fundos e de recordar quando liderou o pedido de abertura da atual estrada de ligação com Lajeadinho, Dahmer folheou lentamente a edição de 32 anos atrás. Ela é importante devido ao Suplemento Rural, precursor da hoje editoria de Interior. E, naquele impresso, Campo do Meio e sua Comunidade Luterana Evangélica eram destaque.

Outro motivo de orgulho é o artigo que escreveu a respeito do agricultor na Nova Constituição Federal, que foi promulgada em 1988. Na época, Dahmer era presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais. Por isso, também guarda uma página com o edital de convocação para nova eleição, dos tempos em que Brochier, Maratá e Pareci Novo ainda pertenciam a Montenegro. “É um jornal muito completo. Quase uma bíblia”, declara. Outra edição que guardou e depois doou à Comunidade Luterana trouxe a cobertura da inauguração do ginásio de esportes, em 1992.

Suplemento Rural de 22 de julho de 1987 destacou Campo do Meio e a Comunidade Luterana e, por isso, foi guardado com zelo

Voz e vez ao campo
Dahmer faz questão de exaltar a importância do Ibiá, especialmente por dar voz e vez às comunidades rurais. Por isso, ficou alegre ao saber do ressurgimento da editoria Interior, e prometeu contribuir com sugestões de pauta. E não se esqueceu de mostrar sua satisfação com o entregador, que agora cruza o campo e deixa sua edição na porta de casa. “Antes eu via ele lááá na porteira… algumas vezes até ia de carro lá buscar”, conta, emendando uma risada faceira.

Satisfação do agricultor é sentar na varanda, com
a cadela Tina aos pés, para ler as notícias do Ibiá

Na verdade, quem primeiro lê o Ibiá na casa dos Dahmer é a esposa Deana, 71, sentada à mesa comendo uma fatia de pão caseiro com uma xícara de café preto. Enquanto isso, Nélvio vai à lida, tratar os bichos. A reportagem se despediu sentindo o cheiro do almoço no fogão e recebendo aquele convite para ficar mais um pouco, para tomar um chimarrão. Bem típico de quem é afetivamente recebido em uma casa no campo.

Deixe seu comentário