Diariamente são postados fotos de animais para adoção na rede social Facebook. Esse da foto está a espera de uma família. Ele e mais duas irmãs foram resgatados após terem sido abandonados em uma caixa, no bairro Santo Antônio. As duas meninas já foram adotados, mas ele ainda não. Interessados podem entrar em contato com Iana Steigleder, pelo whats 9 9929 4011. Ela alerta, porém, que ele será entregue somente a quem se comprometer em cuidar bem do cachorrinho

Formado por voluntários, o Grupo Cachorreiros e Gateiros lança campanha mostrando como a comunidade pode ajudar animais abandonados

O abandono de animais é um problema frequente e normalmente causa indignação na parcela de humanos que os defendem. Alguns, no entanto, fazem mais do que se sensibilizar com a situação e, de forma individual ou em grupos, procuram agir para ao menos amenizar o problema. Auxiliar esses grupos é uma forma de contribuir com a causa.

Em Montenegro, o trabalho em prol de animais abandonados ou vítimas de outros tipos de maus-tratos é realizado de forma voluntária, ou seja, por pessoas que doam parte do seu tempo sem nenhum retorno financeiro. Essa é a situação do Grupo Cachorreiros e Gateiros, da Associação Montenegrina dos Guardiões fos Animais (Amoga), do Grupo Katami e de pessoas que atuam de forma independente. Sem renda fixa, essas organizações realizam promoções e campanhas beneficentes, além de contarem com a colaboração de veterinários que fazem procedimentos a custos reduzidos.

As necessidades, no entanto, são contínuas, uma vez que diariamente são divulgados casos de abandono, principalmente através das redes sociais. Alguns animais são encontrados machucados, às vezes vítimas de atropelamento. A coordenadora do Grupo Cachorreiros e Gateiros, Marcia Elisa de Mello, afirma que a maior dificuldade é conseguir um local para os animais ficarem enquanto se recuperam ou sejam adotados. “Uma das nossas maiores dificuldades é abrigo, lares temporários para tratarmos animais de rua ou comunitários”, afirma.

Ela observa, no entanto, a colaboração da comunidade com ajuda financeira nas campanhas realizadas pelo grupo. “Ajuda financeira, felizmente a comunidade sempre nos dá o retorno esperado, o que nos possibilita seguirmos na luta”, acrescenta. Em dezembro, o Cachorreiros e Gateiros realizou uma campanha de ração que rendeu 261,10 quilos. “Foi um retorno muito bom, levando em conta as despesas extras de final de ano”, analisa Márcia. “E quem quiser pode doar ração ao longo do ano, pois é algo muito útil e que logo acaba”, acrescenta.

Há poucos dias, o grupo lançou outra campanha, relacionando várias formas de ajudar os animais. Portanto, se você quer ajudar e ainda não sabe como, é só dar uma olhada na relação abaixo e fazer a escolha.

Você pode ajudar a causa animal de várias formas
– doando remédios que você não usa mais, remédios para humanos ou veterinários, desde que estejam dentro do prazo de validade e em boas condições;

– doando ração;

– doando panos (lençóis, cobertas) e jornais;

– doando roupas de humanos, calçados e acessórios para os brechós beneficentes do grupo;

– doando utensílios domésticos, televisores, mesas, decoração, enfim, itens que o grupo possa reverter em dinheiro para custear tratamento (produtos que estejam funcionando)

– dando carona para animais resgatados;

– sendo lar temporário para animais retirados da rua;

– sendo voluntário, ajudando em eventos como o brechó beneficente, feira de filhotes, entre outros

– doando dinheiro para tratamentos e medicações

*As doações podem ser feitas na Sapecão Banho e Tosa, Beautycão Pet Shop, Clínica da veterinária Mirene Fernandes Rosa Machado ou na Pilger Pet Shop.

Deixe seu comentário