Dirigentes sindicais alertaram ainda para a reforma trabalhista, que em 2018 coloca funcionários a negociar direto com patrão

Colaboradores da Vimsa aceitaram reajuste e manutenção de benefícios

A noite de segunda-feira começou com apreensão entre os montenegrinos que dependem do transporte público diariamente. Na rua Capitão Porfírio, em uma pequena sala alugada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de São Leopold, funcionários da Viação Montenegro S/A (Vimsa) decidiam se aceitavam a proposta patronal ou entravam em greve.

Mas, com uma baixa adesão de cerca de 15 inscritos em ata, conforme o sindicato resultado de uma estratégia da empresa, foi aceita a proposta de 3,34% de reajuste nos salários e manutenção da demais clausulas da convenção coletiva. Entre esses direitos está o pagamento de ticket refeição durante o período de férias, no valor corrigido de R$ 23,00/dia.

O diretor de políticas públicas da entidade de classe, Wilson Júnior Caetano, abriu a assembleia lembrando que antes a empresa não havia mandado uma contraproposta oficial.

A entidade soube dela por meio dos associados, sendo que não trazia garantia quanto aos benefícios extras. Isso levou ao grupo presente naquela reunião, em 29 de agosto, que seriam quase 80 trabalhadores, votarem pelo estado de greve. Depois disso, alega o líder sindical, a empresa colocou sua nova proposta no mural interno.

Essa atitude esfriou os ânimos e esvaziou a assembleia de ontem, que acabou tendo nove votantes apenas. O advogado do Sindicato, João Batista Wolff, destacou que com aquele quórum seria uma temeridade sugerir que escolhessem paralisar as atividades. “Não vou os orientar a fazer greve com 12 pessoas presentes. Não sou irresponsável”, afirmou Wolff.

No entanto, declarou que aquele aumento era injusto. O Sindicato afirma que em junho a Metroplan autorizou o aumento das passagens, sendo que no cálculo somou 5% referente ao dissídio da categoria. Esse reajuste deveria ter sido repassado na integra a partir de julho. Agora, além de atrasado, é apresentado aumento de apenas 3,4%, sendo que tiraram a retroatividade de um mês da Vimsa e dois meses da Silas.

Os reajustes

Aumento real de 3,34% para motoristas da Vimsa e Silas; além de funcionários da manutenção. Assim o salário do motorista chega aos R$ 2.619,00 + 15% pela função de cobrador = R$ 3.012,72. Ainda o mesmo percentual de reajuste no Vale Refeição e na Sacola Economica (cesta básica mensal);
Manutenção das clausulas de direito da Convenção Coletiva de Trabalho.

Deixe seu comentário